Águia resgata órgão em Botucatu para transplante em São Paulo

Uma operação realizada pelo helicóptero Águia da Polícia Militar, de Sorocaba, salvou a vida de uma criança de seis anos de idade, que está internada no Hospital das Clínicas (HC) de São Paulo.

A operação foi possível em razão de uma troca de informações do coordenador operacional do 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior de Botucatu, major Marcelo Oliveira e a Unesp, que tinha um órgão (rim) compatível para ser transplantado em uma menina em São Paulo. O órgão estava na Unesp já há várias horas e seu tempo máximo para transplante é de apenas 36 horas, depois de ser retirado.

A enfermeira do Serviço de Procura do Órgãos e Tecidos (Spot), Rosa Maria Faria de Oliveira, revela que estava trabalhando contra o tempo. Lembra que a Unesp tinha dois rins doados por uma família de uma menina de seis anos de idade, de Bauru. Um deles foi para um receptor em São José do Rio Preto e o outro ficou armazenado aguardado um paciente compatível.

“De repente tivemos a informação de que uma menina com idade semelhante ? da doadora estava internada em São Paulo e era compatível. Acionamos o major Marcelo e ele comunicou o helicóptero Águia de Sorocaba, que veio a Botucatu e levou o órgão para São Paulo”, lembra.

Explica que enquanto o helicóptero chegava a Botucatu a equipe médica de São Paulo era informada para preparar a menina para o transplante. “Quando o rim chegou a São Paulo foi imediatamente encaminhado ao Centro Cirúrgico para ser transplantado. Felizmente, depois de corrermos contra o tempo, tudo saiu bem”, comemorou a enfermeira.

E ela conclui: “Posso assegurar que se não fosse o empenho do major Marcelo e da Polícia Militar de Sorocaba, esse rim não chegaria ? tempo ao seu destino para dar vida a uma menina e seria perdido. Foi um trabalho muito bonito e eficiente de todos”.

Fotos: Valéria Cuter