Adolescente é apreendido por tráfico de entorpecentes

Um adolescente de 17 anos de idade, que já é bastante conhecido nos meios policiais, foi apreendido na primeira hora da madrugada deste domingo (8), em uma operação da Força Tática da Polícia Militar realizada na Rua Tenente Alarico Alves Barros, altura do número 257, região da Cohab III.

Descreve o Boletim de Ocorrência (BO) que os policiais militares tenente Sayki, sargento Laudo e soldado Douglas patrulhando pelo local, que já é um ponto (biqueira) de venda de entorpecentes, observaram o sindicado em situação de traficância que saiu correndo ao perceber que iria ser abordado, deixando cair no chão um saco plástico.

O adolescente averiguado foi detido e no pacote plástico que jogou ao chão foram localizadas 21 pedras de crack. Questionado sobre o entorpecente alegou que estava apenas transportando a droga para uma pessoa de nome Daniel e receberia R$ 30,00 pelo transporte.

Diante dos fatos foi dada voz de apreensão ao sindicado e comunicado a sua genitora. Ele foi apresentado ? autoridade policial civil e sindicado em crime de tráfico de entorpecentes, sendo recolhido a Cadeia Pública de São Manuel.

{n}Adolescente no tráfico{/n}

Esta recente operação da PM mostra que adolescentes envolvidos com o tráfico de entorpecentes continua se acentuando e preocupa as autoridades da Cidade, entre elas o juiz da Vara da Infância e Juventude, Josias Martins de Almeida Júnior. Ele revela que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) é uma legislação de primeira qualidade, mas encontra suas dificuldades para ser desenvolvido na prática gerando uma série de conflitos e o menor não é assistido como deveria ser.

“Muitos acabam entrando para a criminalidade, incentivados principalmente por traficantes que oferecem o ganho do dinheiro fácil e eles são levados ao crime, pois vêm a possibilidade de sustentar suas famílias e na maioria dos casos sustentar o próprio vício ocasionando um grave conflito social. A inclusão de adolescentes no tráfico de entorpecentes em Botucatu, no contexto atual, é preocupante e 85% dos atos infracionais praticados estão relacionados ao tráfico”, diz Josias Junior.

O magistrado alerta que o tráfico tem acabado com a infância e juventude do adolescente e afetado diretamente sua família. Diz que os atos infracionais mais graves envolvendo adolescentes como roubos, sequestros, homicídios, latrocínios, extorsão, estão relacionadas ao uso de drogas.

“Por causa disso, tenho sido rigoroso com essa situação e aplicado medidas de internação para que o adolescente tenha um atendimento médico, psicológico e de drogadição. Muitas vezes ao internar um menor por um determinado período, estamos, sim, protegendo sua vida. E não podemos nos esquecer que o adolescente que vem de uma família desestruturada está mais vulnerável para entrar na criminalidade. Tirar o adolescente desse ambiente é a nossa obrigação, é obrigação da sociedade”, concluiu.