Adolescente de alta periculosidade é apreendido pela PM

Na tarde desta segunda-feira, os policiais militares da Força Tática, sargento Leonardo e soldado Carlos Alberto, realizaram a apreensão em flagrante de um adolescente de 13 anos de idade, que é muito conhecido nos meios policiais por prática de vários crimes, principalmente roubos e furtos.

Embora tenha uma ficha criminal extensa e ser considerado de alta periculosidade, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) não permite que nenhum dado (como nome, iniciais, endereço, tatuagem, etc) que possa identificá-lo seja publicado. Esse menor havia cumprido uma internação de um ano e quatro meses na Fundação Casas e estava em regime de Liberdade Assistida (LA), desde dezembro do ano passado. Porém, desrespeitou o regime e constava como procurado com a apreensão (prisão) decretada pelo juiz da Vara da Infância e Juventude.

Por volta das 16 horas, esse adolescente invadiu uma revendedora de veículos instalada na Rua Francisco Botti, na Vila Aparecida e simulando estar armado anunciou assalto, rendeu a proprietária (que estava com uma criança de um ano no colo), levando uma carteira com documentos e R$ 260,00 em dinheiro.

“Ele esperou meu marido sair para entrar no escritório. Passou a me fazer ameaças dizendo que estava armado e que iria me matar se eu gritasse ou chamasse a polícia. Ele não mostrou arma nenhuma, nem me agrediu fisicamente, mas eu estava com meu filho no colo e só fiquei mais tranquila quando ele foi embora levando a carteira que estava em uma gaveta”, lembra a mulher que pediu para não ser identificada.

A PM foi acionada e realizando patrulhamento deteve o adolescente na Rua Capitão Tito, com a carteira roubada na revendedora. “Com as características que nos foram passadas pela vítima, passamos a patrulhar e conseguimos localizá-lo. Ao receber voz de prisão ele não esboçou nenhuma reação e confessou ter realizado o roubo. Posteriormente, foi reconhecido na delegacia”, comentou o sargento Leonardo.

O adolescente foi encaminhado ? Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e apresentado ao delegado Celso Olindo, que passou a questioná-lo e constatou que havia sido responsável por vários crimes. “Com a detenção desse adolescente estamos esclarecendo muitos roubos e furtos cometidos em diferentes pontos da Cidade”, comentou o delegado, que determinou o seu recolhimento ? Cadeia Pública de São Manuel, até que a Vara da Infância e Juventude consiga vaga em uma instituição que cuida de adolescentes infratores em regime de internação.

{n}Drama de um pai{/n}

O pai desse garoto esteve na DIG e lamentou ver o filho envolvido na criminalidade, fazendo revelações surpreendentes sobre ele. “Desde que estava no Jardim da Infância ele furtava lanches dos colegas. Tenho cinco filhos sendo que três deles são adotados e, além dele, nenhum me dá trabalho. Ele foi um dos adotados e recebeu o mesmo tratamento dos outros filhos. Agora ele, realmente, só me dá problemas. Saiu da Fundação em dezembro do ano passado e desde então vive aprontando. É duro para um pai dizer isso, mas queria que ele ficasse preso”, revela.

O senhor continua seu desabafo. “Ele, em liberdade, só apronta e não sei mais o que fazer. Não posso amarrar ele no quarto, pois se fizesse isso eu é que seria preso. Nunca foi bom aluno e pouco estudou. Até onde sei ele não “mexe” com drogas, mas isso é uma questão de tempo, pois se ficar na rua vai acabar indo por esse caminho também”, prevê o pai. “Aí será o fim dele”, acrescenta.

Fotos: Macaru