Acusado de esfaquear pai e filha alega legítima defesa

Um dos assuntos de maior repercussão durante a semana foi a ocorrência registrada na Rua 16, na região da Cohab 1, próximo a um supermercado, quando o locutor volante popular Wenceslau Pinto Filho (foto), 70 anos, conhecido como Lau Som ou Barba Azul (no prefixo PX rádio amador) e sua filha Karina de 38 anos foram esfaqueados. O autor do crime foi um cidadão chamado Ramisés Montanha, conhecido por Alemão, que fugiu em um Fiat Fioriono.

Dois dias depois, Montanha se apresentou ao delegado Celso Olindo, na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e deu sua versão do caso registrado como lesão corporal dolosa. Alegou que agiu para defender sua integridade física já que havia sido atacado e agredido por algumas pessoas, que tomaram partido a favor da vítima.  Ele teria se defendido usando um canivete, que jogou fora e não se entregou antes temendo represálias.

De acordo com o que está descrito no Boletim de Ocorrência (BO), Lau que estava acompanhado de sua filha Karina, teria se desentendido com Alemão e ambos começaram a discutir, entrando em luta corporal  e outras pessoas acabaram entrando na briga.

No calor do entrevero Alemão sacou de um canivete e desferiu golpes no abdome do locutor atingindo seu intestino grosso e na filha Karina, de 38 anos que ao sair em defesa do pai também recebeu um golpe. Os dois foram encaminhados ao Pronto Socorro (PS) do Hospital das Clínicas (HC), onde encontram-se sob cuidados médicos.

Vale lembrar que Lau  é bastante conhecido na cidade pelo trabalho que realiza como  locutor de auto falante volante popular, com sua inconfundível voz, divulgando notas de falecimento já há 60 anos. É um dos poucos profissionais dessa área que ainda está em atividade no Brasil.