12º BPM-I de Botucatu promove o 1º Dia sem Bullying

Na manhã desta terça-feira (25) o 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM-I), de Botucatu, em parceria com a Faculdade de Medicina da Unesp – Botucatu, promoveu o 1º Dia sem Bullying. As atividades aconteceram no Teatro Municipal Camilo Fernandez Dinucci a partir das 8 horas.

O evento contou com a presença dos palestrantes, Doutor Gabriel Savi Coll, médico psiquiatra docente da Unesp de Botucatu e da 1ª Promotora de Justiça de Botucatu, Claudia Rodrigues Caldas Lourenção. Também estiveram presentes alunos do Programa Jovens Construindo a Cidadania (JCC) da Escola Américo Virginio dos Santos, que apresentaram uma peça teatral com o tema “Bullying” O evento foi voltado para alunos do JCC e educadores de Botucatu e região, além de policiais militares participantes do programa.

{n}Bullying {/n}

Bullying é um termo utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo (do inglês bully, tiranete ou valentão) ou grupo de indivíduos causando dor e angústia, sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder.

Em 20% dos casos as pessoas são, simultaneamente, vítimas e agressoras de bullying, ou seja, em determinados momentos cometem agressões, porém também são vítimas de assédio escolar pela turma. Nas escolas, a maioria dos atos de bullying ocorre fora da visão dos adultos e grande parte das vítimas não reage ou fala sobre a agressão sofrida.

{n}Terminologia{/n}

Devido ao fato de ser um fenômeno que só, recentemente, ganhou mais atenção, o assédio escolar ainda não possui um termo específico consensual, sendo o termo em inglês bullying constantemente utilizado pela mídia de língua portuguesa. Existem, entretanto, alternativas como acossamento, ameaça, assédio, intimidação além dos mais informais judiar e “implicar”, além de diversos outros termos utilizado pelos próprios estudantes em diversas regiões.

No Brasil, o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa indica a palavra bulir como equivalente a mexer com, tocar, causar incômodo ou apoquentar, produzir apreensão em, fazer caçoada, zombar e falar sobre, entre outros. Por isso, são corretos os usos dos vocábulos derivados, também inventariados pelo dicionário, como bulimento (o ato ou efeito de bulir) e bulidor (aquele que pratica o bulimento).

Fotos: Valéria Cuter