“Tutinha” é preso acusado de tráfico na Vila São Luiz

Um dos marginais mais conhecidos da polícia de Botucatu, foi preso na manhã desta quinta-feira (16), no cruzamento das Ruas Francisco Caricatti com a Joaquim Marins, região da Vila São Luiz, acusado por crime de tráfico de entorpecentes. Trata-se de José Roberto Honoratto, conhecido como “Tutinha”, de 23 anos de idade. Ele estava em companhia de outro cidadão, também bastante conhecido da polícia de nome Natanael Inácio de Almeida, 33, que, assistido pelo advogado Roberto Fernando Bicudo. prestou depoimento como testemunha e foi liberado.

Consta que os policiais militares Roma e Renê efetuavam patrulhamento preventivo/ostensivo por aquela região, quando perceberam que Tutinha, havia dispensado um invólucro plástico na rua e tentou fugir. Os dois foram perseguidos, houve resistência e os averiguados entraram em luta corporal com os policiais. No invólucro plástico os policiais detectaram 28 porções de maconha.

“Flagramos quando o indiciado (Tutinha), que já bastante conhecido na criminalidade, se livrou da droga ao perceber chegada da viatura. Ao ser abordado reagiu a prisão. O que estava ao lado dele (Natanael) também correu e os dois foram abordados, mas resistiram e tivemos que usar força física moderada para efetuar a prisão”, disse o policial Roma, que, no confronto com Tutinha sofreu lesões na mão e perna.

Os dois foram conduzidos ? Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE), onde foram ouvidos pelo delegado Carlos Antônio Improta Julião que determinou o recolhimento de Tutinha ? Cadeia Pública local, após indiciá-lo em crime tráfico de entorpecentes.

{n}Tutinha reconhece mais de 60 furtos{/n}

Na delegacia enquanto aguardava para prestar se depoimento Tutinha revelou que cometeu muitos furtos na adolescência, mas nunca se envolveu com o tráfico de entorpecentes, sendo usuário de crack e maconha. “Eu respondi por mais de 60 furtos quando era menor e fui internado mais do que uma vez na Febem (entidade onde adolescentes infratores são internados por determinação judicial) e uns cinco ou seis (furtos) depois que completei a maioridade. Sou viciado em drogas, mas não vendo, só consumo. Essa maconha não é minha, porque se fosse minha não ia vender e sim fumar”, disse.

Ciente de que ia ser preso em flagrante revelou que quando sair da prisão irá mudar de vida e de cidade. “Não posso mais ficar em Botucatu porque sou muito “manjado” pela polícia e não vou ter sossego. Depois que isso acabar (quando sair da prisão) quero ir para um lugar bem longe onde ninguém me conheça e recomeçar a vida. Sei que é difícil largar o vício, mas vou buscar minha recuperação”, promete. “Já aprontei demais e acho que chegou a hora de parar”, concluiu.

Fotos: Jornal Acontece Botucatu