“Saidinha” vai colocar 20 mil presos do Estado em liberdade

Neste final de ano os estabelecimentos prisionais do Estado de São Paulo deverão liberar algo em torno de 20 mil presos em regime semi-aberto em razão do benefício da Saída Temporária de Natal/Ano Novo, conhecida no dialeto carcerário como “saidinha”. O benefício começa ? s 18 horas de sexta-feira (21) e tem volta prevista apenas para as 18 horas do dia 4 de janeiro.

Em Botucatu nenhum dos 77 presos (até as 10 horas desta quarta-feira) irá ser beneficiado, haja vista que na cadeia local não existe nenhum preso em regime de prisão semi-aberto. Entretanto, vários presos da Cidade que estão cumprindo suas penas em penitenciárias espalhadas pelo interior paulista deverão passar as festividades de final de ano em Botucatu.

A saidinha é aplicada em cinco datas distintas do ano: Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças e Natal/Ano-Novo. De acordo com a Lei de Execuções Penais (LEP), durante o período de liberdade provisória, os presos ficam proibidos de frequentar bares, lanchonetes, boates, casas de jogos, entre outros locais considerados de ‘reputação duvidosa’. Devem permanecer no endereço informado e só podem sair ? s ruas entre as 6 e 19 horas. Viagens, apenas com autorização prévia. Quem for flagrado infringindo alguma das regras perde, instantaneamente, o benefício.

A Secretaria Estadual de Segurança Pública adianta que em estatísticas anteriores o percentual de presos que não retornaram em dia e horário determinado pela carceragem dos estabelecimentos prisionais foi de, aproximadamente, 10%. Isso significa que dos 20 mil presos a serem liberados, cerca de 2 mil poderão não retornar aos presídios e permanecer nas ruas como procurados da Justiça.

Para recapturar esses presos da região que não retornam aos presídios e permanecem na Cidade, as forças de segurança de Botucatu formada pela Polícia Militar (PM), Civil e Guarda Civil Municipal (GCM) reforçam o efetivo e operações são realizadas para evitar o aumento na criminalidade, uma vez que muitos dos presos aproveitam o momento de liberdade para cometer outros crimes.

Fotos: Divulgação