“Pai de santo” é acusado de estuprar a própria filha

A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) prendeu na manhã desta terça-feira o “pai de santo” João Floriano de Almeida, de 39 anos de idade, acusado de abusar sexualmente de sua filha de 19 anos, de nome Andressa. Ele cometia esse crime contra a filha há, pelo menos, três anos e já respondia por crime de estupro em liberdade. Esse cidadão foi preso após um trabalho investigativo comandado pela delegada titular Simone Alves Firmino Sampaio, que chegou até ele através de informações de parentes e vizinhos.

Como pai de santo ele tem uma terreiro de umbanda que fica na sua própria casa, na Rua Dr. Guimarães, nº 746, na região da Vila Antártica. Foi nesse local que ele e sua mulher Sebastiana de Fátima Oliveira, de 54 anos, receberam voz de prisão e foram encaminhados ? Delegacia da Mulher onde o Boletim de Ocorrência (BO) foi elaborado. Ela foi indiciada como cúmplice dos crimes sexuais que o companheiro cometia.

“Os indícios contra o casal são muito fortes e nos deu subsídios suficientes para pedir a prisão temporária dos dois, por 30 dias até que o inquérito seja concluído e encaminhado ao Ministério Público. Ele já responde por crime de estupro”, colocou a delegada lembrando que o pai de santo também é suspeito de manter relações sexuais com a enteada de 13 anos de idade. Foi ela que denunciou os abusos do padrasto contra a menina.

Outro agravante é que o filho de Andressa com pouco mais de um ano de idade pode ser filho do pai de santo. “Os indícios apontam para o fato de ele ter engravidado a filha. Por isso estamos pedindo o exame de DNA para comprovar se o acusado é, realmente, pai dessa criança. Caso seja confirmada a paternidade é mais um crime que ele terá que responder”, salientou Simone Sampaio.

{n}Zé Pelintra{/n}

Na delegacia o acusado negou que praticava abuso contra a filha, mas alegou que quando está no terreiro recebe o espírito de “Zé Pelintra” e um dos procedimentos desse ritual seria a prática sexual com a filha, mas garante que quando está “incorporado” não é ele que faz e sim o espírito que incorpora nele.
“Eu não lembro, mas não fiz nada disso. Mas minha enteada não para em casa e muita gente vem falar dela pra mim. Acho que a entidade que incorpora também não fez porque está morto e morto não faz isso. O que ele faz eu não sei. Eu sempre morei com minhas irmãs e nunca “estrupei” nenhuma. Não vou negar que trabalho no terreiro, mas não fiz nada não na minha filha nem na minha enteada”, comentou o pai de santo.

Depois de ouvir os dois acusados, a delegada determinou o recolhimento de João Floriano ? Cadeia Pública de Conchas onde são encaminhados os presos que praticam este tipo de delito, já que em Botucatu ele correria risco de morte, pois os presos não admitem conviver com detentos acusados de estupro. A mulher foi recolhida na cadeia de Itatinga.