“Andinho” é o 185º preso pela Guarda Municipal em 2012

Fotos: Luiz Fernando

Um dos criminosos mais conhecidos de Botucatu, que se chama Anderson Gonçalves de Camargo, de 33 anos de idade, que leva as alcunhas de “Andinho” ou “Nanico”, foi preso mais uma vez. Desta feita num fato inusitado, já que a casa que tentou invadir para subtrair pertences das vítimas é de propriedade de um promotor de Justiça (Paulo Aoki) e fica na Rua Manoel Teodoro Machado, na Vila Assunção.

Segundo apurações da Guarda Civil Municipal (GCM), com o inspetor Paes e agente Pires, Andinho havia invadido a casa depois de transpor um muro de, aproximadamente, cinco metros de altura, dotado de cerca elétrica. A ação do marginal disparou o alarme da empresa de monitoramento de segurança da casa e uma equipe de vigilantes compareceu ao local. O criminoso foi localizado escondido no interior do guarda- roupa em um dos quartos da casa.

Da residência do promotor o indiciado não teve tempo de levar nenhum objeto, mas em seu poder foi encontrado R$ 480,00 em dinheiro que ele confessou ter furtado do seu irmão um dia antes. Paes e Pires conduziram Andinho até o Plantão Permanente onde foi autuado em flagrante por crime de furto tentado pelo delegado Marcos Sagin Campos e recolhido ? Cadeia Pública local.

{n}Equipe da DIG{/n}

Esse mesmo cidadão, que é dependente químico, já havia sido preso no dia 13 deste mês pelos investigadores Caio e Virgílio da equipe especializada da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), no Parque Marajoara, responsabilizado por furtar um lava-rápido (no dia 11) na Rua Amando de Barros e pretendia trocar os objetos furtados por crack.

A vítima do furto foi um rapaz de nome Alex que havia comprado equipamentos para abrir seu lava-rápido, mas antes mesmo da inauguração, produtos como máquina vap, macaco hidráulico, poletriz, caixas de tintas de spray, entre outros, avaliados em R$ 4 mil, foram levados por Andinho.

Logo que foram informados do crime os policiais civis passaram a colher dados e chegaram até o autor do crime que não teve como negar a autoria. “Ele já é nosso conhecido como um contumaz furtador. Felizmente conseguimos recuperar tudo que ele havia furtado, pois iria vender os produtos a um preço muito abaixo do mercado para conseguir droga”, disse o investigador Caio.

Naquela ocasião, já na delegacia, Andinho confessou que é usuário de crack e já trabalhou com o motorista, mas estava desempregado e havia usado o carro de um parente para transportar os produtos furtados do lava-rápido. “Entrei nesse (vício no crack) e não consigo parar. Não estou trabalhando, mas de vez em quando faço bico. Depois dessa treta (furto) vou sair dessa (vício)”, previu. Como não houve flagrante, ele acabou sendo libertado.