Moradores de rua recusam ir para abrigos em SP para não deixarem cães sozinhos

morador-cao1Moradores de rua têm recusado ir a abrigos para não deixar que seus bichos de estimação fiquem ao relento. Ao menos cinco moradores de rua foram encontrados mortos durante a ‘onda de frio’ em na Capital desde sexta-feira (10). A Arquidiocese de São Paulo afirma que eles morreram de frio. A Prefeitura de São Paulo não confirma que as mortes foram causadas pelas baixas temperaturas. As informações são do SPTV da TV Globo.

“A gente é um ser humano, é uma carne, a gente sofre. Chega a noite aqui quando tá chovendo, a gente tem que se recolher todo. Se não tiver uma lona, um plástico pra jogar em cima, você amanhece o dia molhado ou até morre de frio”, conta o morador de rua João Damião.

Rogério Benedito Moreira mora na rua há mais de 40 anos e não fica sozinho. Ele divide o espaço com 14 amigos e mais 6 filhotes de cachorros. “Posso passar frio, o jeito que for, mas junto com eles. Já que não tem vaga pra eles, não tem vaga pra mim”, afirma.

morador-cao2A Prefeitura oferece 11,5 mil vagas para moradores de rua nos 79 albergues da cidade e informa que não são todos os locais que têm espaço para receber animais, mas que não proíbe esse tipo de atendimento. São 145 leitos por albergue.

“O albergue não aceita animal. Eu não vou deixar meu amigo fiel, que cuida de mim de noite, entendeu, acho que é injusto, né? É um animal, um companheiro, ele protege, ele late”, explica Rodrigo Silva de Assis.

Segundo a Prefeitura, no último fim de semana, foram atendidos 11 mil moradores de rua por dia pelo programa Operação Baixas Temperaturas.

Com o frio, algumas pessoas decidiram ajudar e doar alimentos e roupas de frio. É o caso de Denise Minuncio. “É muito gratificante você poder ajudar. Eu queria poder fazer muito mais, mas infelizmente a gente não consegue fazer tudo, né?”, lamenta a gerente de projetos.

Fonte: G1