Ministro da Justiça afirma que Lula não está sendo investigado

Foto: Agência O Globo/Divulgação

Cardozo enfatiza que num estado democrático de direito a investigação deve ser de forma imparcial, contundente, mas dentro da lei, se alguém acha que está sendo desrespeitada tem direito de se manifestar

 

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (foto), classificou nesta quarta-feira de “especulações indevidas” as análises de que a fase Triplo X da Operação Lava-Jato mira o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele ressaltou que o juiz Sérgio Moro, responsável pelas investigações em Curitiba, já afirmou que não há qualquer procedimento em relação ao ex-presidente. A Triplo X investiga se um prédio no Guarujá (SP), no qual Lula tinha um apartamento, foi usado pela OAS para lavagem de dinheiro.

— Até onde sei, essa investigação está sob sigilo. Apenas posso dizer de situações que são públicas. Recentemente, o juiz Sérgio Moro disse que o ex-presidente Lula não é investigado e eu não recebi nenhuma informação de qualquer ato investigativo em relação à essa pessoa do juiz Sérgio Moro. Isso está claro pelo Judiciário. O ex-presidente não está sendo investigado e nem me parece que tenha sido determinada qualquer medida na investigação de hoje. Quaisquer outras situações são especulações indevidas — afirmou Cardozo.

Ele comentou ainda o manifesto dos advogados que compara a Lava-Jato à Inquisição. Cardozo afirmou que as defesas têm direito de se manifestar e que sua pasta tem determinado a apuração de fatos concretos que foram apontados ao longo da investigação.

— Sempre que fatos concretos dizem respeito às atividades policiais o Ministério da Justiça determina as investigações devidas. Num estado democrático de direito a investigação deve ser de forma imparcial, contundente, mas dentro da lei, se alguém acha que está sendo desrespeitada tem direito de se manifestar — concluiu.

 

Para oposição, cerco está se fechando

Líderes da oposição dizem que a operação da PF é mais um passo no fechamento do cerco ao ex-presidente Lula e a seu suposto envolvimento nos desvios da Petrobras. Já o provável futuro líder do PT na Câmara, Afonso Florence (PT-BA), reclama que há uso político e um direcionamento nas investigações da Lava-Jato, no sentindo de ignorar indícios envolvendo líderes da oposição, e de perseguição ao ex-presidente Lula.

— Supostas pistas, muito inconsistentes , e muito uso político num nítido ataque a Lula. Enquanto isso a opinião pública quer a continuidade das investigações imparciais. Fica a pergunta sobre as delações e tantas evidências de envolvimento dos presidentes do PSDB Sérgio Guerra e Aécio Neves, este último candidato a presidente. Mais uma vez , tudo leva a conclusão de que a Lava-jato não investiga o PSDB — reclama Florence.

O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PE), diz que o melhor é não confundir polícia com política

— Sobretudo em se tratando de um ex-presidente da República. Deixemos as instituições funcionar, aguardemos as conclusões da investigação e cobremos que a lei seja aplicada para todos — diz Cunha Lima.

Líderes do Democratas dizem que o nome da operação, Triplo X, fala por si só e remete claramente ao triplex que seria de familiares do ex-presidente. Acham também que, para avançar nessa fase da Operação Lava-jato, o juíz Sérgio Moro, procuradores e investigadores da Polícia Federal têm indícios muito fortes sobre o uso da empreiteira OAS e empresas de fachada para ocultar propinas de negócios da Petrobras.

Para os democratas não há dúvidas também que, apesar de não citar explicitamente o triplex do Edifício Solaris, onde a família do ex-presidente tinha opção de compra, o alvo é mesmo Lula.

— Aquele condomínio Solaris pouco importa, o objetivo é o triplex da família. E Lula não nasceu ontem e sabe disso. Ele e seu grupo já tinham divergências sérias com o ministro Cardozo. Essa investigação vai produzir consequências políticas profundas. Vai colocar sob impasse definitivo a relação de Lula com Dilma. Estamos muito perto disso. Não haverá uma reação explícita contra Cardozo, mas o azedamento das relações é inevitável _ avalia o presidente nacional do Democratas, senador José Agripino Maia (RN).

— A Lava-Jato mira diretamente no condomínio do Bancoop operado por Vaccari, tesoureiro do PT. O nome da operação não deixa dúvidas: "Triplo X"! Esse é o condomínio onde investigações apontam que Lula possui triplex reformado e ocultado pela OAS, uma das empresas achacadas no Petrolão — completou o líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO).

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, diz que a Operaçao Triplo X reforça os indícios já existentes contra o ex-presidente Lula. O socialista diz que “os fatos vão se juntando no conjunto da obra” e podem ter um impacto político eleitoral grande, desgastando ainda mais a imagem de Lula e do PT.

— Obviamente não é o que desejo, mas a realidade é sempre perigosa, para o bem ou para o mal e o contexto de Lula é muito complicado. Isso terá um impacto muito negativo para Lula, uma liderança política que ainda tem um bem querer na população — diz Siqueira.

O líder do PPS na Câmara, deputado federal Rubens Bueno (PR), igualmente considera que “o cerco “ contra Lula vai se fechando a ponto de lhe deixar como alternativa apenas atacar os investigadores.

— A Polícia Federal já está na vizinhança de um dos principais chefes da organização criminosa que assaltou não só a Petrobras, mas diversas empresas públicas do país. Com a investigação contra os seus filhos e outra sobre a evolução de seu patrimônio pessoal, Lula partiu para o ataque. Mas a ação de hoje mostra que a Justiça, o Ministério Público e a Polícia Federal não se intimidaram — afirmou Rubens Bueno.

O líder do Democratas na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE) , avalia que a Triplo X  atingiu em cheio as bases petistas, em São Bernardo do Campo , mas diz que o Brasil democrático tem que assegurar o funcionamento das instituições, independente dos interesses partidários.

— As investigações chegaram no território mais vermelho e mais petista do Brasil, que é o ABC paulista. Há muito os petistas ligados a Lula cobram de Cardozo e quando cobram, é na lógica de que o governo tem que fazer a política da proteção ao PT e perseguição aos adversários — alerta Mendonça Filho.

Fonte: Agência O Globo