DIG de Piracicaba prende falso médico que clinicava em academias

Foto: Valter Martins/Piracicaba em Alerta)

Suspeito que assinava atestados de aptidão física e exames ocupacionais, irá responder por falsidade ideológica e exercício ilegal da função

 

A Polícia Civil de Piracicaba, através da  Delegacia de Investigações Gerais (DIG) prendeu, nesta quarta-feira (20), um homem de 45 anos que se passava por médico na cidade. Fábio Gonçalves é formado em biomedicina e irá responder em liberdade pelos crimes de falsidade ideológica, estelionato e exercício ilegal da medicina. O suspeito assinava atestados de aptidão física em academias da região, além de exames admissionais em clínica ocupacional atendeu pelo menos seis mil pessoas de empresas e academias do município.

A equipe da Delegacia de Investigações Gerais começou a apreender as fichas feitas pelo homem para contabilizar todos os atendimentos. Fábio Gonçalves é formado em biomedicina e assinava atestados de aptidão físicas e exames admissionais. O homem vai responder em liberdade pelos crimes de falsidade ideológica, estelionato e exercício ilegal da medicina.

Durante um ano, o falso médico trabalhou em quatro academias tradicionais de Piracicaba e uma de Santa Bárbara d' Oeste (SP). De acordo com os investigadores da DIG, o Setor de Inteligência chegou até o falso médico por meio de uma denúncia anônima. Na residência do homem, de 41 anos, no bairro Vila Independência, foram encontrados diversos carimbos, receituários, medicamentos, jalecos e equipamentos médicos para medição de pressão, além de um estetoscópio.

 

Alerta


A Polícia Civil apura agora as responsabilidades das academias e se mais pessoas foram prejudicadas pelo falso médico. O conselheiro do Conselho Regional de Medicina (Cremesp), Renato Françoso Filho, afirmou que os pacientes que foram atendidos pelo homem devem procurar uma nova consulta.

Além disso, Françoso explicou que os conhecimentos de um biomédico são diferentes que os de um profissional formado em medicina. "O biomédico tem uma formação em bioquímica, biofísica, mas ele não tem conhecimento clínico, ele não tem conhecimento para dar um diagnóstico e tratar um paciente", disse.

 

Falsificação


O suspeito utilizava uma carteira do Conselho Regional de Medicina (CRM) de um médico de São Paulo que tem o mesmo nome dele. Para a polícia, o homem alegou que assumiu a função em uma época que passava por problemas financeiros e como médico chegava a ganhar de R$ 5 a 6 mil por mês.

Ainda segundo a DIG, o homem está detido na carceragem da delegacia, mas irá responder em liberdade porque não foi autuado em flagrante. Um inquérito será instaurado e enviado ao Ministério Público, que decidirá a pena do suspeito.

Segundo o advogado de Gonçalves, Leonardo Mariano, o homem assumiu a prática ilegal do exercício da medicina, mas de uma forma minimizada, já que assinava atestados apenas para pequenos casos, "como micose e não chegava a consultar clinicamente em hospitais"

De acordo com os investigadores da DIG, o Setor de Inteligência chegou até o falso médico por meio de uma denúncia anônima. Na residência do homem, no bairro Vila Independência, foram encontrados diversos carimbos, receituários, medicamentos, jalecos e equipamentos médicos para medição de pressão, além de um estetoscópio.

O suspeito  que prestava serviços para, pelo menos, três academias renomadas da cidade e uma em Santa Bárbara d’Oeste (SP), utilizava uma carteira do Conselho Regional de Medicina (CRM) de um médico de São Paulo que tem o mesmo nome dele. Para a polícia, o homem alegou que assumiu a função em uma época que passava por problemas financeiros e como médico chegava a ganhar de R$ 5 a 6 mil por mês.

Fonte: G1