Data Folha diz que popularidade de Alckmin atinge sua pior marca

Foto – Divulgação

Esta é a primeira vez que, numericamente, há mais gente no Estado desaprovando do que aprovando o governador  e a margem de erro do levantamento é de três pontos percentuais para mais ou para menos  

 

De acordo com notícias publicadas no jornal Folha de São Paulo, a combinação entre a persistente crise da água e o controverso plano de remodelação do sistema público de educação pode ter produzido um marco histórico no Estado de São Paulo: a popularidade do governador Geraldo Alckmin (PSDB) nunca esteve tão baixa. O Datafolha fez 1.350 entrevistas em 47 municípios.

Pesquisa Datafolha realizada nos dias 25 e 26 de novembro mostra que 28% do eleitorado paulista qualifica o desempenho do tucano como ótimo ou bom, a menor taxa de aprovação na série de 29 pesquisas do instituto ao longo dos quatro mandatos de Alckmin, com mais de dez anos de gestão, em períodos alternados, desde 2001. Datafolha fez 1.350 entrevistas em 47 municípios.

Há pouco mais de um ano, véspera da eleição que o reelegeu, Alckmin tinha 20 pontos percentuais a mais de aprovação, 48%. No seu melhor momento no comando do Estado, em março de 2006, pouco antes de sair para disputar (e perder) uma eleição presidencial, ostentou 69%. Na tendência inversa, a reprovação também é recorde: 30% dos paulistas classificam o desempenho do governador como ruim ou péssimo.

Esta é a primeira vez que, numericamente, há mais gente no Estado desaprovando do que aprovando o governo Alckmin (a margem de erro do levantamento é de três pontos percentuais para mais ou para menos).  Outros 40% do eleitorado paulista, o maior contingente, classificam a atual gestão tucana como regular.

 

Educação

Alckmin vai pior entre os mais jovens (36% de reprovação no grupo dos que têm entre 16 e 24 anos), entre os mais escolarizados (43% o classificam como ruim ou péssimo no pequeno universo dos que têm ensino superior) e nas cidades grandes.

No conjunto dos municípios da região metropolitana de São Paulo, a reprovação ao governador atinge 38%. Na capital, 39%. Considerando só as cidades com mais de 500 mil habitantes, 40%.  O contraste com municípios mais distantes da capital é grande. No interior, a reprovação ao governador é consideravelmente menor: 23% ante 34% de ótimo ou bom.

Nesta rodada, o Datafolha abordou dois temas diretamente relacionados ao governo estadual que podem ajudar a explicar a queda de popularidade do governador: a crise de abastecimento de água e a decisão de fechamento de escolas públicas, com o consequente remanejamento de alunos.  Em relação à remodelação nas escolas, de cada dez eleitores, seis (61%) são contra as mudanças promovidas pelo governo; três (29%) são favoráveis. A discordância chega a 69% entre os mais jovens.

O Datafolha também coletou a opinião do eleitorado a respeito das ocupações de escolas por parte de estudantes. A maioria (55%) manifestou apoio aos protestos -que se espalharam e já atingem 196 colégios no Estado. Outros 40% foram contra.  A pesquisa foi feita antes da decisão dos alunos de levar os protestos para as ruas, com a obstrução de vias. Antes também, portanto, das cenas de policiais tentando desmobilizar as manifestações.

Num indicativo do impacto dessas medidas no dia a dia da população, um terço dos entrevistados afirmou que tem filho ou algum adolescente ou criança em casa matriculado na rede pública estadual de ensino. Entre os mais pobres (renda familiar mensal de até dois salários mínimos), a taxa vai a 45%.

 

Crise da água

Um terço dos entrevistados (33%) disse que o fornecimento de água foi interrompido ao menos uma vez no último mês, taxa que chega a 55% entre os moradores da região metropolitana de São Paulo. Embora o patamar dos sem-água seja menor do que o apurado em fevereiro (44%), o que pode estar pressionando pela deterioração da imagem o governador é a percepção de que sua administração esconde informações sobre o tema.

De cada dez paulistas, oito estão convencidos de que o governo Alckmin só fornece informações a respeito do assunto que interessam ao próprio governo.  Apenas 14% acreditam que todas as informações sobre a falta de água são devidamente fornecidas.

Nesse contexto, Alckmin é visto como um governador que lida mal com o assunto. A atuação do tucano frente aos problemas de abastecimento de água é aprovada por apenas 20% das pessoas no Estado e 13% na capital. Para 38% dos paulistas, quase o dobro, seu desempenho é ruim ou péssimo nesse setor.

Fonte:  Folha de São Paulo