Alerta: Estudante morre após inalar gás de buzina em festa em Rio Preto

A estudante universitária Maria Luiza Peres Perossolo, 18 anos, morreu na madrugada deste sábado (26), depois de inalar gás de buzina. Ela estava em uma festa  no condomínio Village Damha 1, em Rio Preto. É a segunda morte no ano provocado pela inalação desse tipo de gás.

De acordo com o boletim de ocorrência, Malu Perez, como era mais conhecida, teria ido a uma loja de conveniência de um posto de combustíveis, no Jardim Primavera, onde comprou uma buzina de gás de 250 ml. Ela foi até a casa de um amigo no condomínio Village Damha, onde passou a inalar por várias vezes o gás da lata.

Malu começou a passar mal e logo em seguida debruçou na mesa e não levantou mais a cabeça. Percebendo que a jovem poderia estar com parada cardíaca, os amigos fizeram massagens no torax, enquanto um deles ligou para o Corpo de Bombeiros para solicitar socorro. Quando os bombeiros chegaram à casa, Malu já estava morta e não foi possível usar técnicas para reanimá-la.

Policiais militares estiveram no local e apreenderam a lata de buzina. No boletim de ocorrência, anotaram que a lata continha advertência quanto a super exposição ao gás.

O corpo da jovem foi levado para o Instituto Médico Legal e também será analisado pelo Instituto de Criminalística para verificar se o gás foi a causa da morte. 

Nas redes sociais a morte de Malu causou comoção entre muitos amigos e colegas deixaram mensagens de pesar no perfil dela. Ainda não há informações sobre o sepultamento da jovem.

Outros casos

No início de fevereiro o estudante de medicina Luciano André Zaparoli, 33 anos, morreu supostamente, inalar gás de buzina. Segundo informações da Polícia Civil, investigadores encontraram diversos frascos de buzina de pressão à base de gás no quarto do jovem, que morava em Fernandópolis.

Luciano foi encontrado desacordado por um amigo da família em um escritório no fundo da casa onde morava. O amigo tentou fazer massagem cardíaca para reanimar o jovem. Não adiantou. Foi preciso acionar o Samu, mas o rapaz morreu a caminho da Santa Casa, por parada cardiorrespiratória.

Em janeiro, uma estudante de 17 anos de Rio Preto foi parar na UTI do hospital Austa depois de inalar gás de buzina em uma festa no condomínio Damha 1. Ela chegou ao hospital inconsciente e permaneceu internada por 10 dias.

Segundo o promotor André Luís de Souza, da Infância e Juventude, os adolescentes que estavam na festa vão responder pelo ato infracional de tentativa de homicídio. Outro inquérito deve responsabilizar os pais dos menores. O promotor também apura a suspeita de que outros dois adolescentes passaram mal por inalar gás de buzina na mesma festa.

Em Fernandópolis, outra estudante de medicina morreu depois de inalar o mesmo tipo de gás em 2009. Mariana Finazzi de Almeida, na época com 20 anos, usou o gás de buzina durante uma festa universitária. Ela parada cardiorrespiratória e não resistiu. O laudo pericial concluiu que a jovem morreu por ingerir bebida alcoólica e inalar propano e butano.

Segundo a farmacêutica Gisela Cipullo Moreira, do Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox) do Hospital de Base (HB), os gases são derivados de petróleo, e entram no organismo a uma temperatura muito baixa, chegando a 20 graus negativos. Por segundos, a combinação de gases substitui a oxigenação do cérebro, causando sensações de euforia, falta de ar e tonturas.

Não é possível prever como cada organismo vai reagir às substâncias. "Depende da quantidade que a pessoa inalou e do organismo de cada um. É algo individual. Quem morre por inalar o gás de buzina pode ter misturado com álcool ou outros tipos de drogas. Mesmo que tenha inalado apenas a mistura de gases, a gente nunca sabe quem vai ser mais fraco ou mais forte para aquilo", explicou Gisela.

Que gás é esse?

A buzina usada nas festas contém os gases propano e butano. O gás expelido pelo bico de aerossol da buzina é o que provoca o barulho e é inalado por quem procura efeitos alucinógenos.

A buzina é usada geralmente em jogos esportivos e festas, para fazer barulho, e é vendida livremente em lojas de artigo para festas. O produto é facilmente encontrado inclusive na internet.

Em Rio Preto, é vendido no comércio com valor médio de R$ 12 e utilizado cada vez mais por jovens para proporcionar alucinações. A inalação do propano – um dos componentes da buzina – pode diminuir a concentração de oxigênio no cérebro e causar sensação de euforia e alucinações.

Entre os efeitos físicos, estão a arritmia, que pode causar parada cardíaca, sonolência, depressão, irritação das mucosas e do trato respiratório, além de asfixia e edema pulmonar. De acordo com especialistas, os casos de morte provocados pelo uso do propano são raros e costumam ocorrer quando a inalação é associada com a ingestão de outras substâncias como  bebidas alcoólicas.

(Fonte: Marco Antonio dos Santos/Diário da Região de Rio Preto)