Velório de David Devidé foi em clima de muita comoção

Foto: Marcelino Dias

 

Serventuários do Fórum, familiares, profissionais da imprensa, amigos e pessoas ligadas aos mais variados segmentos sociais, estiveram no velório do fotógrafo e funcionário público David José Devidé que morreu precocemente no ultimo sábado (28), aos 49 anos de idade, vítima de um infarto fulminante. Foi velado no Complexo Funerário Orlando Panhozi e sepultado domingo no Cemitério Portal das Cruzes.

 

Nota da redação

O que dizer de um cidadão como David Devidé? Tudo de bom que for dito ainda será pouco. Quem o conhecia a fundo sabe do que estamos falando, Perdemos um amigo, perdemos um irmão, perdemos um parceiro de todas as horas. A relação de David com minha família ultrapassava as barreiras do Acontece Botucatu.

Era de casa e estava sempre com a gente em eventos, festas, viagens. Enfim era da família. Minha filha Valéria não se cansava de dizer que o David era o irmão que ela nunca teve. É verdade. Eles tinham um relacionamento de irmãos. Com o Machado (Luis Fernando) a situação era semelhante.

Ainda custo a acreditar que ele nos deixou. Estou vendo ele agora, nesse instante, apontando a máquina em minha direção, dando um sorriso e fazendo sinal de positivo. É essa a imagem que vai ficar gravada na minha memória. E ele morreu fazendo a coisa que mais gostava: fotografar gente, com a camisa e o crachá do seu Acontece.

Apesar da imensa dor, a família Acontece só tem a agradecer a Deus por ter nos dado o privilégio de ter convivido com o David nesses últimos anos. Ele nunca nos disse um não, ou mesmo um talvez. Era sempre sim. Era assim!

Quero externar o meus mais sinceros sentimentos a todos os familiares do David, a mãe Dona Emília, aos irmãos Denise e Davimir, à ex esposa Celina e especialmente a filha Angélica, a quem ele tanto amava. Que Deus os conforte e que Deus nos conforte.  Em mim fica a certeza de que quando chegar minha hora ele estará entre os primeiros da fila para me receber. De braços abertos e com aquele seu sorriso peculiar e inconfundível. Grande David!

 

Quico Cuter