Veículos recolhidos em operações vão a leilão público

A empresa Botucatu Parking Ltda, instalada na Avenida das Hortências, nº 1703, região do Parque Convívio, já recebeu a autorização do Departamento de Trânsito (Detran) para realizar o leilão de carros e motos em situação irregular que foram aprendidos.

Hoje o pátio conta com, aproximadamente 600 veículos (entre motocicletas e carros), que acabaram guinchados até o pátio e vários lotes deverão ser arrematados para revenda de peças em desmanches. Nenhum veículo que for a leilão pode circular, já que não possui documento.

De acordo com a gerente da empresa Ana Paula Savini, grande parte dos veículos apreendidos na cidade, não é retirada pelos proprietários e com isso, a lei permite que depois de um determinado tempo no pátio sejam leiloados, caso não haja interesse dos proprietários em recuperá-los, exceto os que são objetos de inquéritos da Polícia Civil. Com o dinheiro arrecadado são pagas as despesas do carro e o restante é devolvido ao proprietário.

“Quando o veículo é recolhido ao pátio é cobrada uma taxa diária de acordo com a tabela do Detran.  Depois de 90 dias no pátio o carro não retirado é considerado abandonado e pode ir a leilão. Mesmo assim, o proprietário é comunicado 30 dias antes do leilão para buscar uma solução. Por isso, quanto mais tempo leva para que o proprietário venha buscar o carro, mais a dívida aumenta”, orienta Savini.

Ele lembra que dos veículos disponibilizados para o leilão, 60% são motos. “Realmente, o número de motocicletas apreendidas e trazidas ao pátio é maior. Muitas delas são semi-novas e estariam em perfeitas condições de trafegar. Porém, a partir do momento em que vai a leilão o veículo fica impossibilitado de voltar a trafegar pelas ruas da Cidade. Só poderão ser aproveitadas as suas peças”, disse Ana Savini.