Superintendente do HC processa pai de paciente

O superintendente do Hospital das Clínicas (HC) de Botucatu. Emílio Carlos Curcelli, através do advogado Ademir Natal Svicero, impetrou uma ação indenizatória (danos morais) e de calúnia, injúria e difamação na 2ª Vara Civil da Comarca de Botucatu, contra Marcos Soares Batista de Oliveira, que há vários meses vem tecendo comentários nas redes sociais sobre sua atuação frente a superintendência do HC, que administra o Pronto Socorro (PS) Adulto Regional.

Oliveira imputa ao HC a demora no atendimento de Dennis Willian Soares, que teria ocasionado a sua morte, processo que teve início ? s 14h49 do dia 12 de agosto quando recebeu o primeiro atendimento no PS e encerrado por volta das 1h30 da madrugada do dia seguinte no HC com o falecimento do paciente após ter passado por uma intervenção cirúrgica. O caso está sendo investigado pela Delegacia Seccional de Polícia, tendo como presidente do inquérito o delegado Lourenço Talamonte Neto.

Curcelli está processando Marcos Oliveira e quer que sejam retiradas todas as publicações feitas nas redes sociais nos últimos meses e que o autor se abstenha de emitir novos comentários, além do pagamento de uma indenização de R$ 20 mil por danos morais. “…as ofensas são muito graves. São humilhações públicas e aleatórias para denegrir a imagem do requerente com injúrias e difamações…”, diz um dos trechos da ação.

O advogado ainda coloca na ação que “o requerente está sendo execrado publicamente e o autor está violando o direito constitucional da privacidade, honra e imagem, acusando de crimes gravíssimos, antes mesmo de se certificar a veracidade e existência dos fatos e das circunstâncias em que, eventualmente, tenham ocorrido”. Svicero também elenca na ação uma série de postagens feitas nos últimos meses por Oliveira contra Curcelli.

Marcos Oliveira afirma que não teme o processo e só irá interromper as postagens se houver uma determinação judicial. Assistido pelo advogado Carlos Carmelo Torres, também está movendo um processo contra o superintendente do HC, só que no Conselho Regional de Medicina, denunciando-o “por manter uma auxiliar de enfermagem, profissional de nível técnico, acolhendo e triando no PS adulto de Botucatu”.

Oliveira afirma que ela não tinha qualificação para fazer esse trabalho quando atendeu a seu filho e teria adicionado essas provas no inquérito policial. Além disso, foi o autor de um abaixo assinado que, segundo ele, conta, atualmente, com 700 assinaturas pedindo a exoneração de Curcelli da Superintendência do HC.