Sem acordo comerciários podem entrar em greve

Em assembléia realizada nesta segunda-feira (10), na Praça Emílio Peduti – Bosque, os funcionários do comércio de Botucatu, aprovaram uma paralisação da categoria pleiteando um reajuste salarial de 8,5%, além de redução do trabalho dos últimos dois sábados de cada mês. Estiveram presentes cerca de 200 pessoas.

A negociação entre o Sindicato do Comércio Varejista de Botucatu (Sincomércio) e o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio vem se arrastando desde agosto do ano passado e não houve acordo até agora. Os dois representantes sindicais já tiveram vários reuniões e travaram debates em programas de rádio, mas o acordo não foi formalizado.

A presidente da classe patronal (Sincomércio), Fátima Baldini, entende que o comércio dever ser livre todos os sábados, das 9 ? s 17 horas. Já Carlos Negrisoli, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio que agendou essa assembleia em praça pública, quer a abertura do comércio apenas os dois primeiros sábados do mês, até ? s 17 horas e até ? s 13 horas os dois últimos sábados do mês. Essa proposta foi colocada em votação pelos funcionários presentes e aprovada. Com isso, se o acordo não acontecer nos próximos dias, a categoria deverá iniciar uma greve.

Esse impasse gerou até uma pesquisa popular feita por ambos os sindicatos, cada qual defendendo os anseios da categoria que representam. Nas próximas horas poderá acontecer uma nova reunião entre os dois sindicatos, como derradeira alternativa para evitar a paralisação.