Santa Casa já pode fazer transplantes de tecidos em Jaú

fachadas frente 1A Santa Casa de Jaú (47 quilômetros de Bauru) já está credenciada pelo Ministério da Saúde para realizar a retirada e transplante de tecidos musculoesqueléticos em pacientes da cidade e região. Portaria que autoriza esse tipo de procedimento foi publicada na última terça-feira (7) no Diário Oficial da União (DOU).

O pedido de credenciamento foi feito pela instituição filantrópica ao órgão federal no fim de abril. No mesmo mês, o hospital recebeu visita técnica de profissionais do Sistema Estadual de Transplantes de São Paulo.

Na ocasião, foram vistoriados as estruturas do Centro Cirúrgico, leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), laboratórios e ambulatórios e as rotinas da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH).

Cláudia Wolf, técnica da Coordenadoria Geral do Sistema Estadual de Transplantes de São Paulo e responsável pela visita à Santa Casa de Jaú, aprovou instalações físicas da instituição e rotinas de procedimentos.

O parecer técnico foi enviado ao Ministério da Saúde, que autorizou o credenciamento da entidade. A portaria também traz o credenciamento da equipe médica que ficará responsável por realizar os procedimentos.

Segundo a Santa Casa, o responsável técnico será o médico ortopedista e traumatologista Ricardo Cury, que tem permissão do Ministério para fazer cirurgias do tipo em hospitais da Capital e em cidades do interior

“Uma vez credenciado o hospital e a equipe médica, o próximo passo é agendarmos as cirurgias que tiverem indicação para utilização de banco de tecidos. Segue o trâmite normal de qualquer procedimento cirúrgico”, explica.

“Este credenciamento abre a possibilidade de virarmos referência na região, e até no interior de São Paulo, para estes procedimentos, já que a maioria dos hospitais não possui tal credenciamento”.

Conforto

De acordo com a Santa Casa, a nova opção de técnica cirúrgica trará mais conforto aos pacientes. Ele cita como exemplo os casos de trocas de próteses ortopédicas em que se faz necessário o preenchimento ósseo.

Com o credenciamento, ao invés de retirar o material do próprio paciente, o hospital pode fazer o procedimento de enxerto homólogo – quando o osso ou tecido é proveniente de doador cadáver.

A entidade foi autorizada ainda a usar tecidos musculoesqueléticos em cirurgias para rompimento de ligamentos de joelho, menisco e tendões. Paciente com indicação para enxerto de tecidos aguarda autorização do seu convênio para ser submetido ao procedimento.

(Fonte: JCNet)