Rotary Club realiza intercâmbio de jovens

Entre vários programas importantes do Rotary International destaca-se o Intercâmbio Internacional de Jovens. No Distrito 4310 que abrange 38 cidades, ao norte da rodovia Castelo Branco entre Cabreuva e Agudos, com 48 clubes, cerca de 20 a 25 jovens são enviados ao exterior e outros tantos são recebidos nos clubes das cidades.

São dois tipos de intercâmbio oferecidos: o de longa duração, para um ano letivo, durante o qual os estudantes são recebidos pelas famílias anfitriãs, aprendem a língua, costumes e estudam em escolas do País onde ficam e são chamados de Embaixadores da Paz.

Já o intercâmbio de curta duração, que pode variar de alguns dias até várias semanas, não inclui qualquer atividade acadêmica, sendo realizado, geralmente, durante o período de férias escolares. No Rotary Clube de Botucatu Norte todos os anos tanto viajam ao exterior como chegam do exterior, em média, de 3 a 5 jovens. Nenhum lucro provém das atividades do intercâmbio e as medidas adequadas de prevenção de riscos são tomadas.

Este ano Botucatu encaminhou Fernanda dos Santos Montanha (Indonésia); Larissa Godoi de Souza (Dinamarca); Juliano Mores de Faria (Estados Unidos); Maria Beatriz de Souza Maia (Austrália) e Mariana Varoli Maximino (Alemanha). Estão em Botucatu: Max Murray (Estados Unidos); Wanda Helene Ambrosius (Alemanha); Faustina Levina (Indonésia); e Alee Margaret Musson (Nova Zelândia).

De acordo com o presidente do Rotary Clube de Botucatu Norte, empresário Wagner Faria, o Programa de Intercâmbio de Jovens procura promover a compreensão e a boa vontade internacional. “Participam deste programa jovens de ambos os sexos, de 15 a 18 anos de idade, que podem ser ou não filhos de rotarianos. Os candidatos são selecionados pelos Rotary Clubs patrocinadores com base num pedido de inscrição por escrito e numa seleção que inclui entrevista pessoal com o candidato”, frisa Faria.

Através deste programa, segundo Faria, muitos jovens viajam a diversos países do mundo para viver e estudar em ambientes diferentes daqueles que lhes são naturais. “É uma fantástica experiência que proporciona o conhecimento de diferentes culturas, conduzindo ao desenvolvimento individual”, frisa. “Os distritos rotários estão ativamente envolvidos com o Intercâmbio de Jovens e dedicam cuidadosa atenção ao procedimento de seleção de todos os candidatos para manter a qualidade do programa e evitar possíveis problemas”, complementa.

O programa está aberto para todos os jovens que satisfaçam os requisitos estabelecidos e que sejam recomendados e patrocinados por um rotariano, Rotary Club ou distrito. Os candidatos de uma faixa etária aceitável tanto para o clube patrocinador quanto para o anfitrião devem pleitear, por escrito, a sua participação e devem se submeter a um processo de seleção que inclui entrevistas pessoais com o candidato e seus pais pelos clubes e distrito.

“O clube ou distrito anfitrião também deverá providenciar um programa de orientação para os estudantes que estiver recebendo. Como os costumes e leis locais diferem muito de um país a outro, é aconselhável que a orientação inclua informações sobre as leis e costumes locais que sejam do interesse dos jovens, que recebem uma mesada a ser, conjuntamente, determinada pelas partes envolvidas”, explica Wagner Faria. “No caso das refeições não serem, gratuitamente, distribuídas na escola, a mesada deve ser suficiente para cobrir as despesas”, finaliza o presidente do Rotary Clube de Botucatu Norte.