Rainha Silvia da Suécia visita a região de Botucatu

No início da tarde deste sábado (14) a reportagem do {n}jornal Acontece Botucatu{/n}, acompanhou a chegada da rainha da Suécia, Silvia Renate Sommerlath, que fez uma visita a região, especificamente, ? São Manuel, cidade onde sua mãe nasceu.

Durante sua estadia, a rainha ficou hospedada em uma fazenda localizada entre Botucatu e São Manuel e que pertence a um advogado amigo da família. Ela embarca de volta ? Suécia neste domingo, depois de visitar alguns locais da cidade, onde sua mãe viveu.

“Estou muito feliz em voltar ao Brasil para rever a cidade onde minha mãe nasceu”, comentou a rainha, que foi escoltada por seguranças particulares, seguranças da região e agentes da Polícia Federal de Bauru, que a acompanharam a todos os locais onde ela cumpriu agenda.

“A visita da rainha Silvia não tem caráter oficial e sim formal, por isso poucas pessoas estão sabendo de sua estadia na região. Nós a convidamos para rever a cidade onde sua mãe nasceu e ainda tem parentes. É uma honra ter uma celebridade mundial visitando a região e conhecendo suas origens”, disse o advogado que está hospedando a rainha e pediu para não ser identificado. “Quando ela for embora posso revelar tudo que ela fez por aqui”, acrescentou.

{n}{tam:25px}Um pouco da rainha{/n}{/tam}

{bimg:22749:alt=interna1:bimg}

A Rainha Sílvia Renate Sommerlath é a mais nova dos três irmãos e filha do empresário alemão Walther Sommerlath, que se tornou presidente da subsidiária brasileira da metalúrgica sueca Uddeholm, e de sua esposa, Alice Soares de Toledo, uma brasileira. Alice, natural de São Manuel, era descendente dos primeiros exploradores portugueses, chegados ao Brasil ainda no século XVI.

Sílvia nasceu na cidade de Heidelberg, na Alemanha, durante a Segunda Guerra Mundial, e seu pai era um membro do Partido Nazista. Depois da guerra, sua família mudou-se para o Brasil, e Sílvia morou em São Paulo entre 1947 e 1957, portanto dos quatro aos catorze anos de idade. Depois, sua família retornou ? Alemanha.

Em 1963, ela termina seus estudos secundários em Düsseldorf. Em 1969, graduou-se em Interpretação em Munich, especializando em Língua Espanhola.
No início dos anos 1970, Silvia Sommerlath trabalhou junto ao consulado argentino em Munique, durante os Jogos Olímpicos de Verão de 1972. Trabalhou como diretora do Protocolo dos Jogos de Inverno em Innsbruck, na Áustria, e, brevemente, como comissária de bordo.

Intérprete, Sílvia fala seis línguas: sueco, alemão, francês, espanhol, português e inglês. Além disso, a rainha é muito fluente na língua de sinais para deficientes auditivos.

Nos Jogos Olímpicos de Munique em 1972, Sílvia Sommerlath conheceu o então Príncipe Herdeiro Carlos Gustavo da Suécia. Com a morte do rei Gustavo VI Adolfo em 14 de setembro de 1973, Carlos Gustavo foi coroado rei, cinco dias depois.

Ele e Sílvia anunciaram seu noivado em 12 de março de 1976 e casaram-se três meses mais tarde, em 19 de junho, na Catedral Storkyrkan, Estocolmo. Foi o primeiro casamento de um monarca sueco reinante desde 1797. Em celebração ao casamento, foi realizado um baile de gala no dia 18 de junho de 1976, com a presença do rei Carlos Gustavo XVI, a futura rainha Sílvia e seus pais, Walther e Alice.

A rainha Sílvia e o rei Carlos Gustavo XVI tiveram três filhos: princesa herdeira Victória, duquesa de Västergötland (14 de julho de 1977); príncipe Carlos Filipe, duque de Värmland (13 de maio de 1979) e princesa Madalena, duquesa de Hälsingland e Gästrikland (10 de junho de 1982).
Segundo Sílvia, os filhos foram educados como crianças comuns, apesar dos títulos de Alteza Real e dos compromissos com o trono sueco. Até a educação secundária, os príncipes estudaram em escolas públicas. A educação da princesa Victória foi mais intensa, em função da responsabilidade que terá como futura monarca, mas a base psicológica repassada por Sílvia a todos os filhos foi fundamental para a princesa herdeira.

Por ter morado aproximadamente dez anos no interior de São Paulo, Brasil, a rainha Sílvia e o rei Carlos Gustavo promoveram aos filhos uma vida mais próxima ao campo. Assim, deram-lhes o respeito ? natureza e ? vida simples.
Culta, elegante, educada e reconhecida pela simplicidade e simpatia muito demasiada, a rainha Sílvia é admirada não apenas pelo cumprimento de suas atribuições, mas também pelo engajamento em projetos sociais importantes. Entre outros projetos ela é fundadora da World Childhood Foundation, com o objetivo de promover melhores condições de vida e de defesa do direito das crianças contra a pobreza e o abuso sexual. A instituição está presente em quatorze países e realiza mais de cem programas.

{n}
Por: Quico Cuter
Fotos: Valéria Cuter{/n}