Posse dos diretores da FMVZ/Unesp foi bastante concorrida

Os professores José Paes de Almeida Nogueira Pinto e Maria Denise Lopes são os novos diretor e vice-diretora da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp, câmpus de Botucatu. Eles foram empossados no dia 15 de fevereiro, em sessão solene da Congregação, ocorrida no auditório Casa da Arte. Nos próximos quatro anos, eles serão os responsáveis pela gestão da unidade, que em 2013 completa cinco décadas de atividades.

A solenidade foi presidida pela professora Marilza Vieira Cunha Rudge, vice-reitora da Unesp, representando o reitor Julio Cezar Durigan. A Mesa do evento teve também a presença do professor Luiz Carlos Vulcano, diretor cessante da FMVZ; professor Carlos Antonio Gamero, pró-reitor de Administração da Unesp; professor João Carlos Cury Saad, diretor da Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp; professor Jair Manfrinato, da Faculdade de Engenharia de Bauru, representando os diretores das unidades da Unesp; João Cury Neto, prefeito municipal de Botucatu; vereador Ednei da Costa Carreira, presidente da Câmara Municipal de Botucatu. Diversas autoridades acadêmicas e políticas também estiveram presentes, além dos professores eméritos da FMVZ, Aguemi Kohayagawa, Aristides Cunha Rudge, Flavio Massone e Paulo Iamaguti.

O novo diretor da FMVZ iniciou seu discurso de posse homenageando o professor emérito Aristides Cunha Rudge, pelo grande incentivo oferecido no início de sua carreira profissional. Também saudou o diretor cessante Luiz Carlos Vulcano, ao lado de quem exerceu a vice-diretoria da unidade no último quadriênio. “Generoso, Vulcano compartilhou e delegou a atribuições que não eram exatamente as de um vice-diretor. Conto com sua vontade e garra para que possamos continuar a construir uma FMVZ cada vez melhor”.

O professor José Paes ressaltou a imensa responsabilidade de dirigir uma instituição que, segundo todos os indicadores, pode ser considerada de excelência. Citou números expressivos do desempenho dos cursos de graduação e pós-graduação; lembrou a prestação de serviços ? comunidade e a formação profissional de alto padrão proporcionada pelo Hospital Veterinário; mencionou ainda as atividades desenvolvidas nas Fazendas da unidade, a atuação dos diversos grupos de pesquisa, os diversos intercâmbios internacionais e qualificação do corpo técnico-administrativo.

O empenho dos pioneiros que iniciaram a história da Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB), instituição que deu origem ? s unidades da Unesp de Botucatu, não foi esquecido. “As condições eram muito precárias, mas havia algo especial nos pioneiros que aqui chegaram e começaram a construir nossa instituição. Além de competentes, eles tinham garra e vestiram a camisa. Esse foi o grande diferencial: acreditar que seria possível. E foi”.

O novo diretor elencou alguns dos principais desafios que sua gestão deverá enfrentar, como a ampliação e modernização de várias instalações do curso de Zootecnia, a construção de um hospital que atenda o grande desenvolvimento que a área de animais silvestres vem tendo na FMVZ e, principalmente, a transferência da totalidade das estruturas da unidade para a Fazenda Experimental Lageado.

“Atualmente, nossa área física não permite ampliações fundamentais para nosso desenvolvimento. Não tenho dúvidas de que a transferência, embora difícil e dolorosa, será necessária. Esse processo exigirá comprometimento da nossa comunidade. Tenho certeza que ela responderá a ele de modo equilibrado e maduro”, disse.

O reconhecimento do programa de residência veterinária junto ao Ministério da Educação e Cultura (MEC) e a necessidade do apoio da Reitoria a essa causa também foi destacada pelo professor José Paes. “É importante registrar que a FMVZ foi pioneira na criação desse tipo de programa, em 1973. Em 2014, devemos formar nosso milésimo residente.

Atualmente nos encontramos num impasse, pois somente a partir da criação da Comissão de Residência Multiprofissional (Corema) por parte da Reitoria é que poderemos requerer o nosso reconhecimento. “São grandes desafios, mas acreditamos que podemos superá-los, pois temos uma unidade forte, consolidada e pertencente a uma universidade em franco desenvolvimento, condições essenciais para que tenhamos êxito”.

Num dos momentos mais emocionantes da solenidade, o novo diretor da FMVZ lembrou os tempos da criação da Unesp, em meio ? ditadura militar, e a luta dos estudantes no período. “Foram eles que lançaram-se ? frente e se puseram a lutar. Defenderam o justo, clamaram pelas liberdades democráticas e lutaram contra o arbítrio. Tive a honra de pertencer ao Centro Acadêmico Pirajá da Silva (CAPS). Lá aprendi a ouvir, debater, a ceder em algumas ocasiões e a não transigir quando necessário.Erramos? É claro que sim. Mas nunca nos omitimos. Meu eterno respeito ao CAPS e a todos aqueles que deles participaram”.

O professor também agradeceu a professora Maria Denise Lopes, sua vice-diretora; os professores Eunice Oba e José Roberto Sartori, concorrentes na eleição pela Diretoria da FMVZ; o apoio dos colegas do Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública; os professores responsáveis pela sua formação básica; colegas e alunos e, de modo especial, seus familiares.
O discurso foi encerrado sob longos aplausos após a mensagem final.

“Espero que a FMVZ e a Unesp formem não apenas profissionais qualificados, mas cidadãos comprometidos com nosso país. Um país que tem avançado nos últimos anos e que se tornará uma grande potência. E quando isso ocorrer eu rogo para que sua força seja pautada na tolerância e respeito ? s demais nações. Que sejamos um país que respeite os diferentes credos, raças e opções sexuais. Que o Brasil seja um país que pense de forma sustentável e se mantenha sempre sob a égide da democracia”.