Pós-graduação em Horticultura da FCA comemora 35 anos

Solenidade ocorrida no Auditório Paulo Rodolfo Leopoldo celebrou os 35 anos da implantação do Programa de Pós-Graduação em Agronomia – Horticultura, o primeiro criado na Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp, câmpus de Botucatu.

O evento contou com a presença dos professores João Carlos Cury Saad, diretor da FCA; Carlos Frederico Wilcken, vice-diretor da FCA; Sarita Leonel, coordenadora do Programa; Filipe Pereira Giardini Bonfim, vice-chefe no exercício da chefia do Departamento de Horticultura; além dos professores eméritos da FCA Julio Nakagawa e Chukichi Kurozawa.

Ao saudar os presentes, a professora Sarita Leonel expressou sua gratidão a todos os que participaram da trajetória da PG Horticultura. “Esse foi o programa pioneiro no Brasil na área específica de Horticultura. Nasceu da ousadia, da coragem e da grande capacidade de trabalho de seus criadores e do corpo docente, além do comprometimento institucional com essa Faculdade e a Unesp. Os resultados vieram por meio da formação de centenas de mestres e doutores, que refletem a dedicação e o trabalho dos alunos, docentes e servidores técnico-administrativos que aqui passaram. Hoje, os profissionais formados por nós são destacados em suas áreas de atuação, deixando a satisfação do dever cumprido e renovando forças para o futuro”.

Na sequencia, o professor Norberto da Silva, docente aposentado do Departamento de Produção e Melhoramento Vegetal relatou detalhadamente o histórico do Programa, relembrando o esforço para sua criação, a atuação dos pioneiros, as dificuldades iniciais e a consolidação.

 “São hoje quase 300 dissertações de mestrado e teses de doutorado em Horticultura. Isso significa que a FCA é responsável pela formação de um contingente significativo de profissionais qualificados numa área específica, que hoje cresce num ritmo muito maior do que em décadas passadas. As pessoas trabalharam em conjunto e conseguiram construir isso. As condições hoje são muito melhores do que as que nós tínhamos no início, mas nem por isso deixamos de fazer o que tinha que ser feito. Espero que os docentes atuais não desanimem nunca”.

O professor Manoel Abílio Queiroz, da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), falou sobre a parceria da sua instituição com a FCA, mais especificamente com o Programa de Pós-Graduação em Agronomia/Horticultura, para a instituição do curso de Pós-Graduação em Horticultura Irrigada na sua instituição.

A solenidade teve sequencia com homenagens prestadas pelo Conselho do Programa de Pós-Graduação em Agronomia/Horticultura. Foram homenageados: professora Rumy Goto, representando todos os coordenadores do Programa; professor Norberto da Silva, representando todos os demais docentes; senhora Margarida Kimoto, representando o professor Tosiaki Kimoto e demais docentes falecidos; Nilton Aparecido de Moraes, representando os servidores técnico-administrativos; Antonio Carlos Giacobino, representando os demais diretores acadêmicos e administrativos; Angela Maria Scorsatto, representando os supervisores da Seção Técnica de Pós-Graduação; professor Oswaldo Brinholi, orientador da primeira dissertação de mestrado do Programa; professora Sarita Leonel, por defender a primeira tese de doutorado; professor João Domingos Rodrigues, orientador da primeira tese de doutorado do Programa. Também foram homenageados os professores Manoel Abílio Queiroz, João Carlos Cury Saad e Carlos Frederico Wilcken.

Após as homenagens, o professor João Carlos Cury Saad parabenizou os colaboradores do Programa de Pós-Graduação em Agronomia/Horticultura. “As pessoas que formaram esse curso formaram também o ambiente que nós temos. Evoluímos em estrutura, somos reconhecidos pela determinação, qualidade ética e científica que nos legaram esses pioneiros. Outra característica é a forte inserção com os produtores. Que essa cooperação com o setor produtivo continue sempre porque ela permite que façamos melhor nossas atividades”.

Em seguida, aconteceu o lançamento do livro “A Cultura do Alho – produzir com qualidade para competir”, editado pelos professores Marcelo Agenor Pavan e Renate Krause Sakate e lançado com apoio da empresa Jacto, da Genove Agronegócios Ltda e da Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais (Fepaf).

 “O livro é uma obra que trata desde o cultivo e a comercialização, aspectos fisiológicos e fitossanitários, dando a ênfase ao alho livre de vírus que foi grande desafio de nosso trabalho na FCA. Isso é resultado de um grupo que trabalha desde a década de 1980, vinculado ao curso de Pós-Graduação em Horticultura”, ressaltou o professor Marcelo Pavan. “O envolvimento do Grupo Genove foi muito importante porque eles confiaram em nós e lutaram ao nosso lado. Esperamos que a obra ajude a melhorar a qualidade e a produtividade do alho brasileiro”.

O professor Pavan também fez a apresentação da variedade de alho TK, desenvolvida na FCA e batizada em homenagem ao professor Tosiaki Kimoto, docente da FCA falecido em 1996. O professor Kimoto foi um dos idealizadores do Programa de Pós-Graduação em Horticultura e pioneiro em pesquisas com o alho nobre no Brasil. “É uma variedade que responde com alta produtividade nos nossos ensaios, com 18 toneladas por hectare. Mas a grande contribuição é que a porcentagem de alho com classificação comercial 5, 6 e 7 (maior diâmetro transversal do bulbo) é de 91%, enquanto a média nacional não chega a 45%”.

O evento foi finalizado com a palestra “Ética na contemporaneidade: esperanças e incertezas”, proferida pelo professor Valdir Gonzales Paixão, do Instituto de Biociências da Unesp.

 

Assessoria de Imprensa da FCA