PM cede cabelo para ajudar pessoas em tratamento de câncer

A policial militar temporária Joyce Cortês, de 20 anos de idade, que presta serviço ao 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM-I), de Botucatu, teve uma atitude incomum esta semana com a finalidade de ajudar pessoas que são portadoras de câncer e vítimas de escalpelamentos no Pará, entrando no projeto denominado “ Doa Sua Moldura” que confecciona perucas, fazendo a doação de seus cabelos.

Dirigiu-se até um salão de cabeleireiro e cortou seus longos cabelos e os enviou a São Paulo via Sedex. Conta que tomou a decisão de doar seus cabelos depois de pesquisar pela internet sobre projetos sociais para um trabalho de um curso que faz. “Encontrei o site, me identifiquei com a causa, então esperei o meu cabelo crescer mais para, realmente, poder ser aproveitado para a doação”, disse Joyce, lembrando que o site é: http://sites.google.com/site/doesuasmolduras/Home.

A policial entende que as pessoas portadoras de câncer que estão em tratamento, tendem a perder a auto estima quando perdem os cabelos. “A doação de perucas pode trazer um pouco de alegria para essas pessoas, que estão passando por um momento tão difícil. Por isso decidi entrar na campanha e fazer minha doação. Quem sabe a minha atitude sirva de exemplo para que outras pessoas façam a mesma coisa”, coloca.

Lembra que o “Doe sua moldura” é um projeto social, não religioso que visa inspirar homens e mulheres a doarem seus cabelos que servirão como matéria-prima para a manufatura de perucas que serão doadas a pessoas em tratamento contra o câncer. “Este projeto encontra-se em seu estado inicial, no qual a coleta de cabelos e o estabelecimento de parcerias com grupos afins é primordial”, enfoca Joyce,

O projeto se inspira nas campanhas Norte-Americanas Locks of Love e Beautiful Lengths, que vem arrecadando cabelos há mais de uma década para serem usadas na fabricação de perucas destinadas a crianças acometidas por alopecia e mulheres em fase de tratamento oncológico. “No Brasil não existem associações semelhantes, pelo contrário, todos os dias milhares de cabelos são desperdiçados nas lixeiras dos cabeleireiros em todo o País e isso pode ser mudado”, concluiu a policial do 12º BPM-I.

Fotos: Valéria Cuter