Planejamento esteve em evento sobre “cidade inteligente”

Ações, investimentos e resultados direcionados ao desenvolvimento das chamadas cidades inteligentes ganharam este ano um novo espaço para debates e exposição de soluções. O Connected Smart Cities, que aconteceu entre os dias 3 e 5 de agosto no Centro de Eventos Pro Magno, em São Paulo (SP), reuniu empresas, entidades e governos dispostos a propor e a compartilhar melhorias para cidades mais inteligentes, interconectadas, e que aproveitem o processo de modernização para encontrar um ponto de equilíbrio que sustente o aumento populacional das áreas urbanas.

A secretaria do Planejamento de Botucatu esteve representada no evento pelo secretário Nelson Lara; a diretora Olivia Cassimiro; o assessor Eduardo Modenese Filho e a arquiteta Mariana Faleiros. “Fomos convidados porque Botucatu está relacionada entre as 220 melhores cidades no Brasil no ranking Connected Smart Cities, e ficamos em décimo lugar no quesito empreendedorismo”, revela Modenese.

Durante os dois dias do Connected Smart Cities foram apresentados e analisados projetos em estudo ou já implementados que traduzem os diversos modelos de conectividade. Os participantes puderam conhecer casos bem sucedidos de cidades que já pensam e agem de forma inteligente, além de acompanhar a discussão de temas sobre como transformar o modelo de cidade atual em um modelo de cidade inteligente sustentável, questões que a população urbana deve lidar para garantir um futuro promissor para os centros urbanos, como mobilidade urbana, soluções inteligentes para gestão hídrica, recursos tecnológicos, entre outros.

“Acreditamos que uma smart city é aquela que cresce de forma planejada por meio de análises do desenvolvimento de indicadores básicos como economia, mobilidade, governo, meio ambiente, urbanismo e qualidade de vida. O nosso intuito foi reunir especialistas, governo e o setor privado para propor soluções que minimizem os impactos dos problemas e ao mesmo tempo aproveitem o potencial da modernidade para elevarmos o maior número possível de cidades ao patamar de cidade inteligente”, enfatiza Paula Faria, diretora da Sator, agência idealizadora do evento.

O evento contou ainda com uma área de exposição e rodadas de negócios para fomentar a troca de experiências e novas parcerias. “Queremos que nos  próximos dez anos, as cidades brasileiras possam subir um degrau ou mais na escala de desenvolvimento, se aproximando dos índices dos modelos das cidades inteligentes do mundo”, ressalta Paula.