Padre Delair Cuerva: perseverança e abnegação

Um dos sacerdotes mais carismáticos e queridos de Botucatu atende pelo nome de Padre Delair Cuerva. É perseverante e abnegado. No apogeu dos seus 46 anos ele está ? frente de um arrojado projeto que tem entre suas finalidades, abrigar pessoas idosas com doenças como câncer e AIDS, através da Associação Sagrada Família (ASFA), que como o próprio padre Delair define, é uma organização não governamental sem fins lucrativos composta por cristãos leigos, que visa acolher pessoas portadoras do vírus HIV e idosas que, por motivos diversos, perderam o vínculo com sua família.

“Ela quer ser uma casa de apoio ? s pessoas fragilizadas que precisam de tratamento médico ou até mesmo moradia fixa para os que já não possuem mais família. Esse projeto foi iniciado e com a ajuda de parceiros e com fé em Deus, iremos concluir a obra para atender quem necessitar”, comenta o padre.

Segundo ele, a ASFA até os dias de hoje já adquiriu uma área com 2.500 metros, contendo uma casa de 100 metros que está passando por reformas e reestruturações. “Ao término desta primeira reforma temos como meta a construção da Capela e das Unidades de Moradia, para dar suporte material, social, emocional, religioso, além de demonstrar nosso amor e o sentido de viver em família”, frisa o Padre Delair Cuerva.

Em uma entrevista ao Acontece, padre Delair nos revela um pouco de sua trajetória de vida e como se tornou um padre bastante popular e polêmico. Foi ele um dos maiores responsáveis pela propagação da Renovação Carismática Católica, que deu mais vida ? s missas em Botucatu, mas que chocou os conservadores. Em suas missas vinham pessoas de diferentes bairros de Botucatu e de cidades da região onde grupos faziam caravana, para assistir as celebrações.

{n}Como tudo começou…{/n}

“A ASFA vai fazer quatro anos e surgiu com o meu pai, que teve cinco derrames, quebrou o fêmur em dois lugares e eu levei para minha casa, porque minha mãe não dava conta de cuidar dele. Aos poucos ele foi perdendo a fala, perdendo, a audição, o paladar, a visão, definhando com uma doença degenerativa. E eu pensava: o que eu vou fazer? Do meu pai estou cuidando, mas quantos estão nessa mesma situação e podem não estar recebendo atenção. De vez em quando eu ia levá-lo ? Unesp e via aqueles idosos, precisando ter o mesmo carinho, o mesmo cuidado que tinha meu pai. Como fazer para ajudar essa gente tão carente? Vendo o meu pai eu pensava nos outros. Pensava naqueles idosos abandonados, naquelas pessoas que contraíram AIDS e não tinham um local para serem assistidas. Então iniciamos um trabalho, visando ajudar essas pessoas, fazendo um projeto para que elas tivessem um lar. Queria fazer as pessoas sentirem o que meu pai sentia, serem valorizadas como ele foi. Foi assim que surgiu a idéia da ASFA, inspirado no meu pai, o seu Júlio Cuerva Bernardes, que voltou pra Deus e tenho certeza de que lá do céu ele está intercedendo para que essa obra possa crescer”.

{n}Financiamento da obra…{/n}

“A ASFA nasceu do nada, mas Deus providenciou e vai providenciar a construção de quatro andares para acolher idosos com câncer e AIDS. Faz quatro anos que iniciamos tudo e já conseguimos muita coisa. Falo desse projeto na Rede Canção Nova, nos programas de rádio que participo e na TV Século 21. A gente fala muito para que o povo nos ajude. Tenho meus irmãos da fé que estão com a gente, buscando fazer um mundo melhor para dar melhor qualidade de vida a essas pessoas necessitadas. Quem quiser conhecer o trabalho que está sendo feito pode vir até aqui na sede da ASFA, na Rua das Rosas, nº 300, Parque Convívio, ou telefonar para 3813-4410”.

{n}Renovação Carismática Católica…{/n}

“Esse movimento surgiu nos Estados Unidos com um grupo de (40 a 50) jovens universitários que queriam rezar diferente, queriam colocar sentimento e movimento nas orações e passaram a dançar, fazer gestos, bater palmas, usar instrumentos como bateria e guitarra nas músicas louvando a Deus e invocando o Espírito Santo. O movimento foi crescendo e foi trazido para o Brasil pelo padre Eduardo Dougherty que se entusiasmou com essa forma diferente de adorar a Deus. Ele encontrou um Padre Haroldo, monsenhor Jonas, entre outros que aderiram ao movimento e isso se espalhou pelo Brasil. Foi uma loucura. Naquela época eu tinha 17 anos e brigava com meu irmão por ele dançar músicas de igreja. E olha no que deu! Há 20 anos a situação era diferente. Era estranho para muitos ver uma missa sendo celebrada com guitarra, palmas, bateria, gestos e dança”.

{n}Movimento choca conservadores…{/n}

“Tudo que é novo assusta. Foi isso que aconteceu com a Renovação Carismática Católica. Eu era o padre mais jovem da cidade, que louvava a Deus dançando, cantando, pulando no altar, fazendo missa de cura e de libertação. Hoje não pulo mais porque tenho o joelho machucado. Queiramos ou não, mexer com a tradição é complicado. Hoje, com minha experiência de 20 anos de padre, não faria daquela forma. Era um padre novo que queria acontecer, queria rezar de maneira diferente. Queria dar mais pra Deus. É como um médico recém saído da faculdade que quer virar o mundo de ponta cabeça. Tive muitos problemas é verdade, mas sabe que eu louvo a Deus por isso? A gente só aprende levando pancada. Com a Renovação pude ficar perto das pessoas, sentir as pessoas, tocar as pessoas, beijar as pessoas, chorar com as pessoas. Ela alcançou o que tinha que alcançar”.

{n}Católicos mudando de religião…{/n}

“Olha, eu acho que isso é a busca do imediatismo. Por exemplo, a pessoa está com câncer e vai buscar a cura, onde tenha gente que diz que cura. Quando a pessoa está com a situação financeira ruim ela procura quem prega teoria da prosperidade. É o imediatismo. O povo quer o imediatismo. Ele quer o já, o agora. Acho que isso é ignorância de fé. O nosso Papa Bento XVI é muito firme nesse aspecto e diz que prefere qualidade e não quantidade. É radical nas coisas doutrinais. E tem que ser. Eu vejo (o Papa) com um alemão que quebrou a etiqueta. Porque mesmo sendo o povo alemão mais conservador, mais frio, na sua primeira carta ele escreve “Deus é Amor”. Ele quer dizer que Deus é presença e ama você incondicionalmente. A Deus não interessa o pecado e sim você. Uma vez perguntado ao Papa se estava preocupado com a questão de evasão de católicos para outras igrejas, ele disse que não e sua preocupação era fazer com que a igreja cumpra o seu papel. É nisso que eu também acredito, na qualidade”.

{n}Dom Maurício Grotto de Camargo{/n}

“Sou suspeito para falar do Arcebispo de Botucatu. Tenho um carinho muito grande por ele. É uma criatura maravilhosa, humana demais. Disciplinador sem ser inquisitor ou autoritário. Ele sabe mostrar o que é ser pastor. Ele tem o coração maior do que a barba dele. Sempre preocupado em ver o povo de Deus feliz. A ele só interessa ver as pessoas chegando pra Deus, querendo Deus. Ele é assim. Então, falar do Dom Maurício é falar de paz, de amor, de piedade, de vocação, de abnegação”.

{n}Semana sempre agitada…{/n}

“Hoje não tenho uma igreja específica, nas noites de terça-feira rezo a missa aqui na ASFA. O Dom Maurício me nomeou capelão do Hospital das Clínicas (HC) da Unesp, onde compareço todas as terças-feiras e quartas-feiras, para rezar a missa das 12 horas e depois passo a tarde visitando doentes e atendendo funcionários. Tenho um programa de rádio, todos os dias, da meia noite ? s duas horas na Rede Canção Nova, que pode ser acompanhado pelo site: WWW.asfa.com.br. Na quinta-feira eu passo o dia aqui na ASFA e á noite eu viajo para Campinas para fazer o programa de TV Século 21 ao vivo, das 23h30 ? s 2 horas. Depois vou para São Paulo, Rio de Janeiro ou onde me chamarem. Estou sempre pronto para pregar a palavra de Deus. Assim é minha vida”.

Fotos: Fernando Ribeiro/Jackie Delphino