Os 130 cães recolhidos pela VAS não podem ser doados

O recolhimento de 130 cães na última terça-feira (27) em uma casa na Vila Casa Branca, pela equipe da Vigilância Ambiental em Saúde (VAS) em parceria com a Polícia Militar, gerou muita repercussão na Cidade. Os animais estão sendo cuidados pela Associação Protetora dos Animais (APA) e não poderão ser doados, de maneira imediata, já que está correndo um processo e o destino dos cães será decidido pela Justiça.

A Vigilância informa que os animais que foram encontrados em condições precárias como falta de higiene e espaço físico incompatível estão recebendo cuidados veterinários e quando estiverem em condições serão castrados. As informações sobre como obter esses animais serão divulgadas pela APA, para a imprensa, posteriormente.

Entretanto, os cães podem receber doações de medicamentos e rações. Os interessados em ajudar os cães podem entrar em contato através do telefone (14) 9701-2088. Contribuições em dinheiro poderão ser feitas na conta da APA: Banco Itaú 341, agência 0223, conta 47803-3.

Vale lembrar que o durante o recolhimento dos cães, foi constatada a presença de dezenas de animais em condições precárias. Devido ? s condições apresentadas, a VAS em parceria com a Associação de Proteção dos Animais (APA) e PM, retirou os 130 animais da propriedade.

{n}Discutindo a Legislação{/n}

Na tarde desta quinta-feira (29) o supervisor da VAS, Valdinei Moraes Campanucci da Silva e a veterinária Gabriela Kapány Gonzalez, se reuniram com criadores e lojistas que comercializam a animais e aves para tirar dúvidas sobre a Lei 4.904 de 11 de abril de 2008, que trata das diretrizes da criação e comercialização de animais em pet shop.

Durante a explanação Gabriela Gonzalez fez um apanhado geral dos direitos e deveres do criador contidos na lei e o comerciante com relação ? procedência dos animais e o acondicionamento dos mesmos nos pet shops em locais apropriados.

“Esta reunião é para tirar dúvidas e explicar quais são os artigos dessa lei que trata da criação e venda dos animais para regularização e a necessidade de um acompanhamento técnico de um especialista da área. Estamos distribuindo a redação da lei para que todos leiam e quem ficar com dúvidas pode nos procurar”, disse a veterinária da VAS, que prevê outras reuniões.

Fotos: Valéria Cuter / divulgação