Na religião temos que separar o joio no trigo

Esta semana bateu na porta de minha casa uma garotinha de, aproximadamente, 12 anos de idade. Sozinha. Ela estava com uma bíblia aberta na mão e me perguntou se eu gostaria de ouvir a palavra de Deus. Fiquei atônito. O que uma menininha de pouco mais de 10 anos queria me ensinar?

Passado o susto inicial e antes de qualquer coisa lhe perguntei onde estavam os seus pais. Respondeu que estavam no quarteirão de cima pregando a palavra de Deus em outras casas. Ela insistiu em querer conversar comigo sobre religião. Entrei, peguei um bombom e um ursinho de pelúcia que era da minha neta. Entreguei o doce e o brinquedo para a menina que não entendeu nada. Muito calmamente lhe disse. “Vai brincar, menina, vai!”.

Ela retrucou incisiva: “Senhor, eu estudo a bíblia”! Sorri e disse a ela: “Olha vamos fazer uma coisa. Vai para onde estão seus pais e mande que eles venham até aqui, tá bom? A gente conversa tudo junto!” A menina se foi levando consigo o ursinho e o chocolate. Acompanhei-a até que dobrasse a esquina e poderia jurar que sorria. Nem ela, nem os pais retornaram. Ficou a impressão que a menina era uma vítima do fanatismo dos pais.

Sou católico, embora tenha ressalvas com alguns ensinamentos, mas não recrimino ninguém, pois entendo que cada cidadão tem o direito legítimo de seguir a religião que achar mais conveniente. Mesmo sendo católico tenho uma atração especial pela igreja anglicana, que prega a igualdade social, em todos os aspectos.

Não há como negar que nas mais diferentes religiões tem joio no trigo. Aquele que na igreja prega o amor e faz milagres, mas fora dela é um insano e mau caráter. O milagre é bíblico e existe, com toda certeza! Mas alguns simplesmente o banalizaram. Tem gente que cura câncer com um sopro, faz paralítico andar apenas com um gesto de mão, faz cego enxergar e surdo ouvir. Há quem chegue ao exagero da ressuscitação. Porém, vai ao médico para curar uma simples unha encravada.

Então é necessário cuidado. Muito cuidado! Em todas as áreas têm gente séria e gente enganadora e mentirosa. A religião não foge a regra. A fé é uma coisa muito séria e alguns estão brincando com ela. E o número de falsos profetas que age por aí brincando de ser Deus, está subindo assustadoramente. E vão continuar crescendo se a gente não separar o joio do trigo.