Mais de 4 mil empregos formais são criados em Botucatu

Apesar das crises financeiras que tem estremecido muitos países do globo, inclusive alguns segmentos de produção no Brasil, o mercado de trabalho não para de admitir bons profissionais. Em Botucatu, não é diferente.

Em janeiro de 2009, segundo números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, o Município contabilizava 32.688 pessoas com emprego formal, ou seja, com carteira de trabalho assinada. Até maio de 2012 esse montante já era de 36.930, mais de 4 mil novas pessoas empregadas. A área de serviços é a que mais cresce e hoje emprega mais de 13 mil em Botucatu, seguida pela indústria, com 11,7 mil, e comércio, com 7,5 mil profissionais.

Mas o crescimento da empregabilidade também tem como parcela de ajuda a preocupação e mobilização do setor público e privado pela qualificação da mão de obra local. Prova disso foi a formatura de mais de 100 pessoas realizada na tarde desta quinta-feira (5), no polo 2 da Universidade do Trabalhador (Unit), e que participaram dos cursos de chapeamento aeronáutico, informática (operador de micro e autocad módulo 1), telemarketing, secretariado e técnicas de vendas. As aulas foram promovidas em parceria com o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), e as empresas Ambiel RH, Foco RH e Qualifica.

“Muita gente acha que é difícil começar uma caminhada. Pessoalmente penso diferente. Para mim, mais difícil que iniciar é continuar e não parar de sonhar”, afirmou em seu discurso José Roberto Wonsowicz, 43 anos, formando do curso de chapeamento aeronáutico. “Antes de entrar no curso, mal sabia fazer um currículo. Agora acho que estou mais preparada para o mercado”, confessou Elisangela Gonçalves Rocha, do curso de secretariado.

{n}Empenho do Poder Público {/n}

A qualificação profissional é uma das vertentes principais do “Todos pelo Emprego”, programa lançado pela Prefeitura de Botucatu, em 2011, que funciona como uma verdadeira rede de ações provocadas por agentes públicos e privados engajados em estimular a manutenção, criação e ocupação das vagas no mercado de trabalho.

“Mas não basta qualificar. Temos que acompanhar de que forma essas vagas estão sendo ocupadas e se as empresas estão satisfeitas com estes novos profissionais. Paralelamente, continuamos a criar incentivos para atrair novas e boas empresas, além de desenvolver ? quelas que já estão na Cidade. Neste ponto, o Parque Tecnológico e a ampliação do Distrito Industrial 3 trarão um novo patamar para Botucatu”, destaca Antonio Carlos Stein, secretário adjunto da Indústria.

Desde 2010 já são mais de 2,5 mil pessoas que receberam qualificação viabilizada pelo Poder Público Municipal. O prefeito João Cury Neto, enfoca que não se pode deixar de contar as capacitações promovidas, constantemente, aos próprios servidores municipais e em outras áreas como a Social, na qual é oferecido oportunidade de geração de renda a algumas famílias pelo Criadores Solidários do Fundo Social de Solidariedade e nas 1.200 vagas em cursos de qualificação gratuitos conseguidos pelo Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) que serão direcionadas ? s pessoas mais carentes.

“O importante disso tudo é que criamos uma política pública voltada ao emprego, inclusive com orçamento próprio destinado ? qualificação, e contamos com parceiros importantes que têm acreditado nessa obstinação em prol do trabalho, que é o que liberta verdadeiramente o ser humano”, lembra o prefeito João Cury Neto.

{n}Mais cursos{/n}

Lembra o prefeito que a Prefeitura de Botucatu também promove outros cursos de qualificação a pessoas que buscam novas oportunidades no mercado de trabalho. “Pelo menos cinco cursos diferentes, oferecidos de forma gratuita, em módulos de 160 horas, estão em plena execução em parceria com o Senai”, diz Cury.

No último dia 19, por exemplo, teve início o curso de “mecânico de climatização veicular”. São 29 alunos divididos em duas turmas (tarde e noite) que recebem aulas diariamente em uma carreta montada no próprio Senai. “Esse curso está sendo uma oportunidade de trabalho e ampliou muito minha visão do mercado de trabalho”, diz Carlos Alberto Almeida, de apenas 17 anos, que antes mesmo de concluir o curso de mecânico de climatização veicular já foi sondado por uma empresa para iniciar em seu primeiro emprego.

Ainda na área de serviços, o Senai promove os cursos de “operador de micro computador” (informática) na Unit 1, que contabiliza duas turmas (manhã e tarde) com 12 pessoas, e outro de “eletricista” na Unit 2, com a presença de uma única turma (manhã) de 16 alunos. “A pessoa desempregada não tem condições de bancar um curso como este (eletricista), e com o apoio da Prefeitura e Senai está existindo essa oportunidade. O patrão quer sempre o melhor e para isso você tem que se capacitar, ainda mais eu que estou afastado do mercado há pelo menos três anos”, comenta Vladimir Teixeira, 45 anos.

Em parceria com a Guarda Mirim e a Caio Induscar, duas turmas (noite e aos sábados) com aproximadamente 30 pessoas recebem o curso de “auxiliar de montagem de carrocerias de ônibus” na Unit 2.

Desde abril, 24 pessoas divididas em duas turmas (tarde e noite) também têm adquirido informação e técnica no curso de “construção civil”. Ele é divido em seis módulos, com 160 horas cada: pedreiro assentador, revestidor, armador de ferro, carpinteiro de formas, instalador hidráulico, e carpinteiro de obras.

As aulas acontecem na Cozinha Piloto da Prefeitura, que passa por reformas de ampliação. Assim, depois que os alunos compreendem a parte teórica, vivenciam na prática os ensinamentos no próprio canteiro de obras. “Este é um curso bastante interessante e numa área bastante escassa de profissionais. Um servente, hoje, pode ter um salário inicial de R$ 900 a R$ 1 mil”, comenta Ivan Roberto Fontes, agente de treinamento do Senai Botucatu.

Para o segundo semestre deste ano, o Senai prevê a abertura de mais de 140 vagas para os seguintes cursos de qualificação: operador de microcomputador; word e excel avançados; access; web designer; corel draw; eletricista instalador; e chapeador de peças aeronáuticas. “Também estamos negociando com a Prefeitura outros cursos, inclusive para servidores públicos municipais vinculados ? Secretaria Municipal de Obras”, adianta Fontes.