Magistrado pleiteia novo Fórum ao município de Itatinga

Fotos: Valéria Cuter

A Cidade de Itatinga, com seus aproximados 18 mil habitantes, poderá contar com uma novidade que irá beneficiar toda a população: a construção de um novo Fórum. Atualmente, o Judiciário está funcionando de maneira inadequada em um sobrado alugado na região central da Cidade.

O juiz David de Oliveira Luppi, que está á frente desse projeto da construção de um novo prédio, salienta que já levou o problema da precariedade das instalações do Fórum de Itatinga a uma reunião realizada no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Ele foi acompanhado pelo diretor do Fórum de Botucatu, Josias Martins de Almeida Júnior e do coordenador da circunscrição da Associação Paulista de Magistrados do Estado de São Paulo (APAMAGIS), juiz José Antônio Tedeschi.

“Nessa reunião nós colocamos a situação atual e a necessidade de que seja construído o prédio próprio para que seja dado um atendimento adequado ? população que espera de nós a aplicação da Justiça, assim como buscar melhores condições de trabalho e segurança aos servidores do Fórum”, explicou Luppi.

De acordo com o magistrado o Tribunal de Justiça exige uma área de 10 mil quadrados para que a construção seja feita. “Acredito que não teremos dificuldades em conseguir esta área exigida pelo Tribunal, já que o prefeito (Paulo Apolo) está engajado nesse projeto e o município tem áreas que poderão ser desapropriadas. Também não podemos descartar a possibilidade da doação dessa área, que seria um processo mais fácil. Então, posso dizer que tudo está caminhando bem e estamos encontrando apoio para que esse novo prédio venha a ser construído”, previu o juiz.

Um dos mais graves problemas do prédio onde está instalado o Fórum itatinguense é a acessibilidade. “Para subir na sala de audiência a pessoa tem que subir uma escada com corredor estreito. Uma pessoa com deficiência não consegue subir se não for carregada”, observou Luppi, lembrando que em alguns casos deixa o seu gabinete para atender no andar de baixo.

Outro ponto importante destacado pelo magistrado é com relação a segurança dos serventuários forenses. “Os departamentos forenses estão instalados em corredores em salas onde não há portas de emergência e as janelas são providas de grades. Em caso de um incêndio, por exemplo, não há como fazer uma evacuação rápida e segura do prédio. Por isso é que estamos pleiteando junto ao Tribunal de Justiça a construção do prédio para atender as necessidades de Itatinga e tenha espaço suficiente para projetos futuros de crescimento do judiciário da Cidade”, finalizou Luppi.