Infectologia “Domingos Meira” tem nova direção

O Serviço de Ambulatórios Especializados (SAE) de Infectologia “Domingos Alves Meira”, administrado e mantido pela Famesp, e vinculado a Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB), que já é referência nacional para o atendimento de pacientes com infecção pelo HIV/Aids e hepatites B e C, entra atualmente em uma nova fase de planejamento, visando manter a excelência na assistência, aliado ao crescimento nas áreas de ensino, pesquisa e extensão. A professora da FMB, Lenice do Rosário de Souza, juntamente com o médico infectologista Alexandre Naime Barbosa assumiram oficialmente em agosto, a direção e vice-direção da unidade, respectivamente. As novas ações já estão sendo desencadeadas.

Os novos gestores estão envolvidos com o SAE de Infectologia há vários anos, cada um desempenhando papéis cruciais para seu desenvolvimento. Professora Lenice, do Departamento de Doenças Tropicais e Diagnóstico por Imagem da FMB, iniciou o atendimento ? s pessoas vivendo com HIV/Aids em 1985, juntamente com o antigo diretor da unidade, professor emérito Domingos Alves Meira (falecido em junho de 2012), quando ainda o atendimento era realizado nos Blocos de Ambulatórios do HC Unesp.

Contratada em 1985, dois anos após terminar sua residência, sua tarefa não era das mais fáceis, pois naquela época os atendimentos eram realizados uma vez por semana e ainda não contava com uma equipe multiprofissional. “Por vários anos era eu quem levava os medicamentos para entregar aos pacientes no ambulatório. Não era possível, no começo, receber os remédios pela farmácia do HC. Somente em 1999, isso passou a acontecer rotineiramente. Começávamos a estruturar uma equipe multiprofissional”, lembra a diretora, acrescentando que a demanda de pacientes era enorme e a infraestrutura pouco adequada.

A partir de setembro de 2004, com a inauguração da SAE de Infectologia e com o apoio da Famesp, foi possível agregar e formar uma verdadeira equipe multiprofissional e multidisciplinar. Atualmente, o corpo de colaboradores do SAE conta com docentes da área de Infectologia, Cardiologia, Endocrinologia, Colo-Proctologia, Cirurgia Plástica, Psiquiatria e Enfermagem, servindo como palco de ensino para alunos da graduação em Medicina (1º, 2º, 4º e 5º anos), Enfermagem, Biomedicina e Nutrição (câmpus da Unesp de Botucatu), Farmácia (câmpus da Unesp de Araraquara), residência médica em Infectologia, Clínica Médica, Dermatologia e Neurologia e aprimoramento profissional em Nutrição, além de estagiários de graduação de outras universidades brasileiras e estrangeiras.

O corpo de funcionários fixos é formado por além de dois médicos infectologistas, dois enfermeiros, um assistente social, um fisioterapeuta, um dentista (com assistente), um terapeuta ocupacional, um farmacêutico (com assistente), um psicólogo, cinco técnicos em enfermagem e dois secretários juniores. Há ainda dois recepcionistas e um motorista.
Alexandre Barbosa, que nos últimos oito anos atuou junto com o professor Meira em diversas atividades, especialmente na área assistencial e de pesquisa, salienta que a nova direção do SAE trabalhará para tornar cada vez mais forte o vínculo entre o serviço e a FMB. O objetivo é que se mantenha e cresça cada vez mais como um importante palco de pesquisa e ensino para os alunos de graduação, pós-graduação e médicos residentes. “É especialmente estratégico incrementar a pesquisa sobre hepatite C, pois o tratamento desses pacientes está sob verdadeira revolução com o lançamento no mercado de novas drogas, e perspectiva de surgimento de muitas outras num futuro próximo, muito mais eficazes, e com menor índice de efeitos adversos”, explica o infectologista.

Lenice Souza destaca que deverão ser ampliadas também as parcerias para pesquisa em HIV, vinculando serviços do HC da FMB bem como de outras instituições universitárias. “Queremos incrementar a linha de pesquisa em HIV/Aids”, garante. A especialista está atualmente em visita ao hospital universitário Bichat-Claude Bernard, que é referência em pesquisa clínica na área, em Paris.

O SAE de Infectologia traz também como novidade uma nova logomarca. A reestruturação da identidade visual faz parte o processo de modernização do serviço. Está em andamento ainda a revitalização das áreas verdes existentes no prédio onde estão os ambulatórios e a implantação de uma nova entrada para pedestres, melhorias financiadas pela Famesp.

Em termos assistenciais, o SAE de Infectologia conta hoje com cinco ambulatórios de HIV/Aids, dois ambulatórios de Hepatite B e C, um de Risco Biológico, um de Nutrição e um de HTLV, além dos ambulatórios das especialidades de cirurgia plástica, cardiologia, psiquiatria e coloproctologia. A unidade é responsável por 1.200 pacientes, metade pessoas vivendo com HIV/Aids, e metade com Hepatite B ou C.