IB de Botucatu/Unesp gradua suas turmas de 2012

Para encerrar o ano acadêmico, o Instituto de Biociências de Botucatu/Unesp (IBB) realizou a cerimônia de formatura de seus cursos de Ciências Biológicas, Ciências Biomédicas, Física Médica e Nutrição. Com o sentimento de conquista em cada aluno formando e seus respectivos familiares, a emoção permeou cada momento da solenidade.

Solenidade teve início com culto ecumênico e de descerramento simbólico de placas das turmas, realizados na Casa da Arte da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ); além do plantio de árvores no Jardim Botânico do IBB, no campus de Rubião Júnior. Na oportunidade, os concluintes puderam ver seus nomes eternizados como os novos profissionais, pesquisadores e professores formados pela Unesp.

Realizada no ginásio da Fazenda Experimental do Lageado, a solenidade de colação de grau foi o momento simbólico de concretização dos anos de aprendizado na universidade. Com o espaço repleto de familiares, amigos e colegas de turma acompanharam os juramentos e a conferência de grau aos formandos.

A mesa de autoridades foi composta pelo diretor do IBB, professsor Renato Diniz, a vice-diretora Maria Dalva Cesário, além do vice-prefeito de Botucatu, Antonio Luiz Caldas Júnior. As demais unidades da Unesp foram representadas pelos professores José Carlos Peraçoli (vice-diretor da Faculdade de Medicina-FMB), Edivaldo Domingues Vellini (Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) e presidente do Grupo Administrativo do Câmpus) e José Paes de Almeida Nogueira Pinto (vice-diretor da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Augusto Cezar Montelli, acadêmico da FMB, representou o Rotary Clube de Botucatu, na ocasião.

Durante os discursos dos representantes de cada uma das turmas e de seus respectivos paraninfos, a certeza era da missão cumprida e que os anos passados dentro da universidade mudaram a percepção de mundo de cada um dos presentes. Este sentimento foi realçado na fala do diretor do IBB, Renato Diniz, que frisa ter sido ‘o final de um ciclo’. “O significado deste momento é mais abrangente. Todos vivem aqui, a concretização de uma trajetória de sacrifícios e desafios”, salientou o gestor.

Criado com o intuito de estimular a produção científica e o desempenho acadêmico, o Rotary Clube de Botucatu concedeu o prêmio “Horácio Lopes” aos alunos que de destacaram durante seus respectivos cursos. Foram contempladas as formandas Camila Gobette e Talita Santos (Ciências Biológicas – Licenciatura); Luana Soares (Ciências Biológicas – Licenciatura), Lívia da Silveira (Ciências Biológicas – Bacharelado); Fabiana Albani Zambuzi (Ciências Biomédicas); Ligia Watanabe (Nutrição) e Gabriela Vitti Stenico (Física Médica).

Durante a sessão foram realizadas homenagens aos professores e pais dos formandos. Também foram lembrados os alunos Uellis de Paula Gomes, Luciana Walravens Bérgamo e o professor Carlos Eduardo Andrade Chagas, falecidos durante os cursos.

{n}Conquistas ao longo dos anos {/n}

Os discursos dos oradores das cinco turmas formadas e de seus respectivos paraninfos permearam a conquista após anos de estudos e contato com a ciência, além da missão social que muitos terão com as respectivas profissões.

Representante da turma de Ciências Biológicas (Licenciatura), João Manoel Fogaça, ressaltou o profissionalismo e empenho dos professores como facilitadores na busca pelo conhecimento das turmas. Já a paraninfa, professora Elizabete Cardieri, reforçou que a formação destes profissionais foi cultivada a cada dia. “Não importa onde estejam, a missão que têm agora é difundir o conhecimento obtido na universidade”, disse.

Também pelo curso de Ciências Biológicas (Bacharelado/Licenciatura), Heitor de Oliveira focou seu discurso nos momentos vividos pela turma e que se tornaram ‘únicos’, em sua concepção. Paraninfa da turma, professora Mariana Dallaqua agradeceu pela homenagem recebida por ser este o momento de aposentadoria e aconselhou os formandos: “Vocês são cidadãos conscientes e capazes de entender a responsabilidade da alma e intelecto”, colocou.

Já Cecília Pessoa Rodrigues, oradora de Ciências Biomédicas, ressaltou que a vivência dos colegas em Botucatu proporcionou uma realidade que os levou ao amadurecimento. “Aprendemos com a Cidade e após quatro anos, graças ? s dificuldades, somos pessoas melhores e também profissionais em nossas áreas”, disse.

Professor Pedro Novelli, paraninfo, em discurso emocionado, frisou estar voltando para sua primeira jornada dentro da Unesp. Alertou ainda a todos os formados sobre as responsabilidades que virão. “O profissional da saúde está em contato com pessoas fragilizadas e inseguras aos cuidados que receberão. É da competência de cada um auxiliar nestas dificuldades”, lembrou.

Finalizando, Vinícius Almeida, que representou a turma de Física Médica, relembrou colegas que desistiram no decorrer do curso. Ressaltou que a formatura era a concretização do esforço e a confirmação da escolha profissional. Ponto também lembrado pelo professor Vladimir Costa, paraninfo do grupo, que realçou a importância da física para as ciências e o crescimento do mercado de trabalho.

“Na atual sociedade, o físico faz esta interdisciplinaridade entre os conceitos da física para a aplicação na Medicina. Vivemos uma grande expansão desta área que se consolida no Brasil”, frisou, ao realçar que o IBB é uma das doze instituições de nível superior que oferece o curso.

Fonte: Flávio Fogueral
Assessoria de Comunicação e Imprensa IBB/Unesp