Grupo Ambiental faz resgate de animais silvestres

Professor Carlos  Teixeira enfatiza o avanço das construções urbanas nas áreas verdes e o aumento das malhas viárias diminuem os habitats naturais dos animais silvestres

 

O Grupo de Proteção Ambiental (GPA) da Guarda Civil Municipal (GCM) registrou três casos de resgate de animais silvestres nas últimas horas, sendo que o um dos casos foi no bairro rural Monte Alegre, onde havia um filhote de gavião carijó, que estava com dificuldades de voar. Já na Estrada Municipal Domingos Papa os agentes localizaram um filhote de tucano bastante debilitado.

As duas aves foram encaminhadas ao Centro de Medicina e Pesquisa em Animais Silvestres (Cempas), da Unesp, permanecendo aos cuidados da equipe médica coordenada pelo professor doutor Carlos Teixeira. Também no Jardim Paraíso foi resgatada uma serpente (não especificada a espécie) no quintal de uma residência. Este animal acabou encaminhado ao Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos (Cevap), onde existe um serpentário para visitação pública monitorada.

Vale lembrar que no Cempas estão dezenas de aves e animais resultados de apreensões policiais, vítimas de atropelamentos em estradas e caçadores ou ainda vindos de pessoas que criam os animais e depois resolvem abandoná-los.  O professor Carlos  Teixeira enfatiza que o desenvolvimento das monoculturas, o avanço das construções urbanas nas áreas verdes e o aumento das malhas viárias diminuem os habitats naturais dos animais silvestres.

“Isso faz com que (os animais) invadam áreas urbanas onde entram em contato com seres humanos e acabam capturados ou feridos e, muitas vezes, mortos. Estando no Cempas e não tendo condições de soltura alguns são transferidos para zoológicos ou criadouros conservacionistas. Outros permanecem aqui para serem pesquisados e são base para teses e doutorados”, explicou Teixeira.