Governo prevê aumento da gasolina para este ano

“Nós podemos, creio eu, imaginar que ainda este ano possa haver uma revisão desses preços de combustíveis já na bomba”, foi dessa maneira que ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, se manifestou admitindo nesse final de semana que o preço da gasolina pode subir até o final do ano. Lobão não disse de quanto será o reajuste.

O ministro afirmou que a pasta estuda aumentar o percentual do álcool anidro na gasolina. Atualmente, a porcentagem é de 20% e, caso a produção do álcool aumente, voltaria para 25%. “Essa mudança está sendo bastante pensada, mas depende de um aumento na produção, que não deve ser imediato”, disse.

Em junho, a Petrobras já havia conseguido reajustar o preço da gasolina em 7,8%, mas esse percentual não havia tido impacto no preço cobrado nas bombas, porque o governo resolveu zerar a alíquota das Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE), um imposto que incide sobre os combustíveis.

O Diário Oficial da União (DOU) publicou na edição de sexta-feira o decreto que reduz os valores da CIDE. Com isso, o valor da contribuição sobre o metro cúbico de combustível cai de R$ 230 para R$ 192,60. De acordo com o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Antônio Henrique Silveira, a medida foi “exclusivamente motivada pelo pequeno aumento de preço que poderia derivar da mudança da mistura (de álcool anidro na gasolina)”. Ele, no entanto, ressaltou que a medida não garante a manutenção dos preços atuais. “O preço é livre”, frisou.

A partir de outubro, o percentual de álcool anidro na gasolina do tipo C passará de 25% para 20%. “Com isso, o percentual de gasolina do tipo A (na composição da do tipo C) passará de 75% para 80%. Como se trata de um produto mais caro (que o etanol anidro), compensaremos (a variação) por meio da redução dessa alíquota”, disse o secretário. Por esse motivo, o governo reduziu a CIDE em R$ 0,04 por litro, passando de R$ 0,23 para R$ 0,19. Segundo projeção do governo, deixarão de ser arrecadados, em valores líquidos, R$ 50 milhões este ano devido ? redução do tributo.

Investidores da Petrobrás festejaram não apenas o segundo aumento em três semanas no combustível mais vendido pela empresa, mas também o fato de a presidente da companhia, Graça Foster, ter conseguido barganhar a alta, apesar do impacto para o consumidor. “Sem dúvida, garante uma maior credibilidade para Graça Foster que, depois de sofrer bastante pressão nas últimas conversas com investidores, conseguiu negociar o aumento com o governo”, diz o relatório dos analistas Emerson Leite e Andre Sobreira, do Credit Suisse.