FMB/Unesp faz diplomação de 167 médicos residentes

Fotos: Silvio Geraldo dos Santos Jr.

Solenidade reuniu diretores, professores, funcionários e familiares dos 167 médicos residentes que encerram suas atividades no âmbito do HC da Faculdade de Medicina em fevereiro de 2016 e, a partir daí, seguirão suas próprias trajetórias profissionais

 

Aconteceu no Salão Nobre, Cerimônia de Conclusão dos Programas de Residência Médica da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB). Solenidade reuniu diretores, professores, funcionários e familiares dos 167 médicos residentes que encerram suas atividades no âmbito do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) em fevereiro de 2016 e, a partir daí, seguirão suas próprias trajetórias profissionais.

 

O médico Luis Eduardo Silva Moz fez um discurso, em nome dos médicos residentes, homenageando os pacientes. Segundo ele, os médicos “cuidam de pessoas e não de doentes”. O especialista ressaltou que a maior parte dos pacientes reconhecem o esforço dos profissionais da medicina que muitas vezes abdicam da vida pessoal visando o bem-estar dos próprios pacientes.

Isadora Pimentel de Souza foi a médica oradora da turma. Em seu discurso, falou sobre as experiências vivenciadas durante os anos de aperfeiçoamento profissional na residência médica. A especialista agradeceu os docentes, preceptores e os demais colegas e lembrou das adversidades enfrentadas no dia-a-dia.

Para a coordenadora do Conselho de Residência Médica da FMB, professora Paula Shmidt Azevedo Gaiolla, “a residência médica é considerada a melhor maneira de se formar e capacitar um profissional médico”. A docente lembrou que o aprendizado na residência médica “acontece de forma interessante e escalonada, que é o saber, o fazer e o ensinar”.

Em seu discurso, o diretor da FMB, professor Pasqual Barretti, fez um retrospecto sobre os avanços da residência médica da Instituição. “Estou absolutamente convencido de que a diferença do hospital universitário não se faz apenas pela sua tecnologia, nem tampouco pelos seus professores. Acho que a grande diferença do hospital universitário é a residência médica, pois, além desse aspecto de cidadania e institucional, é uma maneira de assistir ao paciente que nos reporta possivelmente aos primórdios da medicina”, frisou. Abrilhantando o evento, a professora Ligia Niéro de Melo se apresentou ao violão. A docente interpretou duas canções em homenagem aos formandos.  

 

Residência Médica

A Residência Médica é, no Brasil, o programa mais bem-sucedido quanto ao aperfeiçoamento dos médicos recém-formados e a sua especialização. Entendida como pós-graduação "latu sensu" pelo Conselho Federal de Educação é reconhecida como tal pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e encarada pela Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) como uma base de suas principais responsabilidades.