Festa da 100ª edição da Revista QG foi bastante concorrida

Fotos: Rô Luz

A comemoração da 100ª edição da Revista QG, foi realizada em grande estilo com o comparecimento de personalidades ligadas a diferentes segmentos sociais de Botucatu e região. Os convidados foram recepcionados no Espaço Luz Tropical, na noite esta sexta-feira (5), pelos diretores responsáveis Rodrigo e Elaine Girardi.

“Foi uma noite inesquecível a comemoração do número 100 da revista. Ao longo desses quase dez anos de circulação, foram destaques em nossas edições, pessoas ligadas ao mundo político, empresarial, esportivo, cultural, entre outros, com inúmeras reportagens trazendo conceito, linguagem, formação de opinião e entretenimento para Botucatu e região”, frisou Rodrigo Girardi. “Para nós é motivo de muita satisfação dividir esse nosso momento histórico com tantos amigos”, complementou Elaine.

Rodrigo Girardi enaltece os colaboradores e parceiros que, de alguma maneira, ajudaram no crescimento da revista ao longo dos anos. “Não posso deixar de fazer um agradecimento especial a nossa equipe que faz a revista conosco e criou essa edição diferenciada das demais, onde os leitores poderão conferir as 100 capas, os fatos e as fotos já publicadas ao longo dessa década”, observou Girardi.

Lembra que a linha editorial da revista busca matérias interessantes, abordando comportamento, saúde, curiosidades, entrevistas, polêmica, turismo, além de cobertura social e fotos das festas mais badaladas da região. “Nossa proposta sempre foi oferecer aos nossos leitores a informação em suas mais variadas vertentes, trazendo uma diagramação diferenciada, leve e moderna, seguindo os atuais padrões de linguagem gráfica”, explica.

Elaine Girardi aponta que a linguagem das publicações procura atingir um amplo grupo de leitores, agregando pessoas de 8 a 80 anos, segundo pesquisas internas. Este público, segundo Elaine, pertence ? s classes A (35%), B (47%) e C/D (19%). “Só podemos agradecer todo apoio que recebemos para a comemoração da nossa 100ª edição. E isso só foi possível em razão da comunidade que sempre acreditou nesse trabalho”, concluiu.