Fazenda Lageado homenageia parceiros com certificados

Em evento promovido pela Coordenadoria do Núcleo do Museu do Café da Fazenda Lageado foram entregues certificados para empresas e pessoas físicas homenageadas como “Amigas do Lageado”, apoiadores do projeto no ano de 2010. Entre os laureados estiveram o jornal Acontece Botucatu, o prefeito João Cury Neto, o radialista, jornalista e artista plástico, Osmar Santos, entre outros.

Para este ano foram entregues 51 certificados sendo 12 para empresas na distinção Prata por completarem em 2010, cinco anos consecutivos de apoio. Outras 12 empresas receberão na distinção Bronze, por apoiarem por quatro anos consecutivos, já duas empresas receberão na categoria Bronze por completarem três anos de apoio consecutivo. Cinco empresas receberam pela primeira vez o certificado.

Na categoria Instituição serão concedidos cinco certificados. Duas pessoas físicas receberão pelo quinto ano consecutivo de apoio, na distinção Prata e, finalmente, mais 13 pessoas receberão pela primeira vez esse certificado de Amigos da Fazenda Lageado.

“O certificado é o reconhecimento da comunidade acadêmica da Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) pelo apoio dessas empresas, instituições e pessoas ao projeto”, frisa o coordenador do Núcleo do Museu, José Eduardo Candeias, lembrando que além de parceiros de Botucatu, foram premiados apoiadores de São Paulo, Bauru e de Minas Gerais.

O prefeito João Cury ressaltou que desde que foi criado em 2006, o projeto vem aumentando o número de apoiadores. “Temos aqui a imprensa, profissionais liberais, Poder Público e empresas de diferentes segmentos que acreditaram na institucionalização dessa a idéia que caiu nas graças da sociedade e que transforma a cultura de nossa Cidade. Todos os homenageados estão de parabéns por carregar a bandeira desta ideia”, frisou Cury.

O momento marcante da solenidade foi a chegada de Osmar Santos, um dos maiores radialistas da história do rádio brasileiro, porta voz da campanha das “Diretas Jᔠde 1984, que tirou o Brasil da ditadura militar com a eleição para presidente da República e governadores de Estado.

Osmar Santos, o “Pai da Matéria”, sofreu um grave acidente automobilístico em 22 de dezembro de 1994, viajando de Marília para cidade de Lins, quando foi atingido por um caminhão e sua fala ficou comprometida e pronuncia menos de cem palavras. Deixou como marca frases que ficaram na história como: “Um prá lá, dois prá cá”, “É fogo no boné do guarda”, “Ripa na chulipa e pimba na gorduchinha”, “Sai daí que o jacaré te abraça, garotinho”, “No carocinho do abacate”, “Vai garotinho porque o placar não é seu”, entre outras. Hoje como artista plástico, dedica parte de seu tempo em pinturas sobre telas e um dos seus trabalhos foi doado ao acervo do Museu do Café.

Fotos: Valéria Cuter