Fatores de risco em idosos é tese de doutorado na FMB

Está em fase de produção um estudo de doutorado orientado pela professora Ana Lúcia dos Anjos Ferreira, do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) que aborda os fatores de risco para piora do grau de dependência de idosos. A pesquisa visa descobrir, ao longo de dois anos, o que contribui para a pessoa na melhor idade se tornar mais dependente de familiares e instituições. O trabalho está sendo desenvolvido em mais de 100 pessoas acima de 60 anos e residentes em domicílios da cidade de Botucatu.

Priscila Lucélia Moreira, autora da tese, e orientanda da professora Ana Lúcia, realizou as atividades em dois momentos: 2008 e 2010. Os resultados preliminares sugerem que, durante o período, houve diminuição de altura, aumento de peso, elevação da circunferência da cintura e incremento da relação cintura-quadril, os dois últimos relacionados a um risco de desenvolvimento de Síndrome Metabólica (doença associada ? obesidade, como resultado da alimentação inadequada e do sedentarismo).

“Após análise de todos os resultados, vislumbra-se implantação de campanhas para atenuar ou neutralizar esses fatores. Com isso, esperamos poder contribuir para retardar a necessidade de cuidados especiais do idoso que, gera aumento de gastos para os familiares e/ou para Estado”, explicou Ana Lúcia.

O avançar da idade está relacionado ao aumento de dependência, o que por sua vez resulta em aumento da necessidade de cuidados especiais por parte dos familiares ou pelas instituições (asilos). A população idosa brasileira está crescendo rapidamente. A previsão é que, em 2025, o Brasil seja o 6º país mais idoso do mundo, o que desperta a necessidade urgente de adoção de medidas normativas frente ? nova realidade nacional.