Fã possui acervo histórico de Chitãozinho & Xororó

“Pode ser que exista alguém que seja tão fã de Chitãozinho & Xororó como eu, mas, mais do que eu, duvido”. Foi o que disse o unespiano  Paulo José Bardella, de 48 anos de idade,  que possui um acervo histórico da dupla e guarda como se fosse um tesouro.

Ele tem toda coleção de CDs (mais de 45 unidades) e de disco de vinil (25 “bolachões”) e muitos objetos, inclusive no ramo empresarial que levam o nome da dupla. “Eu tenho um carinho especial não apenas  pelas músicas que cantam, mas seres humanos que são e a mensagem que passam para nosso Brasil”, disse Bardella.

Ele conta que já assistiu a vários shows da dupla, não só em Botucatu, como em outras cidades. “Sempre que eles cantam na região, procuro estar presente e claro que vou estar no ginásio da Ferroviária em outubro.  O interessante é que a cada show eles trazem novidades e nenhum (show)  é igual ao outro”, colocou o fã botucatuense.

Como não podia deixar de ser o amor que o botucatuense nutre pelo trabalho da dupla acabou envolvendo sua mulher Sonia e seu filho Bardella Júnior, de 24 anos. “Não tem como não gostar. O Paulo chega do trabalho e a primeira coisa que faz é mexer na sua coleção para ouvir um CD ou assistir um DVD. Até minha neta de 04 anos já canta as músicas do Chitãozinho & Xororó”,  revela Sonia.

Um dos encontros que Bardella teve com a dupla foi 1996, quando eles vieram fazer um show na cidade.  Conta que sabia aonde eles iriam se hospedar e logo depois do almoço foi para a frente do hotel, sentou-se na calçada e passou a tarde inteira esperando, enfrentando um calor muito forte.

“Um  profissional da equipe da dupla ficou sabendo que eu estava ali há várias horas e me colocou no saguão do hotel. A dupla chegou ao início da noite e se mostrou muito simpática comigo e tirei um foto ao lado deles.  Foi um momento inesquecível. Isso valeu cada minuto de espera”,  lembra Bardella. “Gostaria de me encontrar, pessoalmente, com eles novamente, pois o carinho que sinto por eles é muito grande. Posso dizer que sou viciado em Chitãozinho & Xororó”,  complementa.