Ex-delegado de Botucatu está no encalço de Roger Abdelmassih

O delegado Waldomiro Pompiani Milanesi, chefe da Divisão de Capturas da Polícia Civil de São Paulo e que por muitos anos trabalhou em Botucatu está no encalço do médico Roger Abdelmassih, de 68 anos de idade. Esse cidadão está condenado, desde novembro de 2010, a 278 anos de prisão acusado de por estuprar 37 mulheres. Ele era um dos mais respeitados especialistas em reprodução humana do País e teve o diploma de médico cassado.

Ele não foi preso naquela ocasião (em 2010) porque um habeas corpus do Superior Tribunal de Justiça (STJ) dava a ele o direito de responder em liberdade. O recurso foi revogado em janeiro de 2011, quando ele tentou renovar seu passaporte, o que sugeria a possibilidade de ele sair do Brasil e a prisão em cumprimento a pena então foi decretada.

Abdelmassih que passou a ser um dos homens mais procurados do Brasil teria sido filmado na última segunda-feira (10) circulando, tranquilamente, em uma padaria e restaurante na Vila Conceição, na região de Moema, área nobre na Zona Sul da capital. A filmagem chegou até as mãos de Milanesi que determinou que uma equipe se deslocasse até a padaria onde o médico teria sido filmado para colher dados com funcionários e clientes que freqüentam o local.

A equipe de Milanesi está analisando as imagens feitas por um fotógrafo que postou as imagens na internet e aguarda o resultado da perícia da Polícia Técnica. Depois das imagens se tornarem públicas, outras informações sobre o médico procurado chegou ? Divisão de Capturas.

“Estamos investigando se é a mesma pessoa. Se ele for localizado, terá de ser preso. A Polícia Federal e a Interpol estão avisadas sobre o risco de fuga de Abdelmassih pelas fronteiras do Brasil com outros países”, disse o ex-delegado de Botucatu, que reconhece que a semelhança é enorme, embora o homem filmado aparente ser mais alto e mais forte que Abdelmassih. O advogado do médico, José Luis Oliveira Lima, disse que não comentaria o caso.

Esta não é primeira vez que a polícia recebe informações de que o médico está em São Paulo. A Polícia Federal apurou, em julho desde ano, indícios sobre a presença de Abdelmassih no interior do Estado, especificamente, em um sítio na cidade de Itu, mas que, ao chegar ao local, a impressão era de que ele havia acabado de sair.