Estudantes de república, PM e GCM entram em confronto

A festa de uma república de estudantes instalada em uma residência  da Rua  Virgílio Bartoli, na Vila Nova Botucatu, gerou grande tumulto na madrugada desta sexta-feira, sendo necessária a intervenção de viaturas da  Polícia Militar (PM) e  Guarda Civil Municipal.  Descreve o relatório policial que cerca de 100 estudantes da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB) –  Unesp,  estavam bebendo em via pública, impedindo o trânsito, com o som alto, muita gritaria e palavras de baixo calão.

O local por alguns momentos se transformou em um campo de batalha, já que as viaturas foram recebidas com pedradas e garrafadas e os policiais responderam com bombas de efeito moral e tiros com balas de borracha, até que situação fosse controlada e os estudantes se dispersaram (foto).

De acordo com os moradores, a festa teve início por volta das 21 horas de quinta-feira e às 2h45 horas da madrugada do dia seguinte o barulho ainda continuava. Por isso as forças de segurança foram acionadas e conseguiram fazer com que a festa se encerrasse. O responsável pela casa foi orientado a comparecer no 2º Distrito Policial (DP) onde o inquérito policial deverá ser aberto.

O capitão Alexandre Cagliari ressaltou que apesar do conflito, não houve registro de feridos e ele já dialogou com um dos lideres estudantis na manhã desta sexta-feira. “Ele reconheceu que houve excessos e infiltração de pessoas que não são estudantes na festa e eles iniciaram uma briga originando o tumulto. Conversamos de maneira pacífica e ele garantiu que não haverá mais festas em via pública”, disse o capitão.

Vale lembrar que é nessa região da cidade que abrange bairros como o Jardim Paraíso, Vila Antártica, Vila Pinheiro e Vila dos Lavradores,  onde estão concentradas 80% das repúblicas de estudantes da cidade. Em razão disso as denúncias de perturbação de sossego e a presença de viaturas se tornam freqüentes. Na grande maioria das vezes a situação é contornada sem que haja confronto entre estudantes e forças de segurança.


Outro detalhe é que a perturbação do sossego público não vale só para o horário noturno. A lei não especifica horário e tanto faz se for três da tarde, como três da manhã. O crime é o mesmo e o conselho da GCM e PM  é que as pessoas que se sentirem prejudicadas com o barulho alheio devem acionar os vizinhos que também passam pelo mesmo problema e,  em grupo,  procurar a delegacia para que as providências necessárias sejam tomadas.

 

Nota da Unesp

A Unesp lamenta o conflito ocorrido ontem, dia 1/10, entre alunos da sua Faculdade de Medicina e a polícia de Botucatu. A festa que originou esses tristes fatos ocorreu fora dos limites do Câmpus Universitário sem ter, portanto, qualquer participação ou autorização por parte da Universidade. 

Ao longo de sua história, a Unesp tem tomado medidas para orientar a comunidade acadêmica sobre os problemas do uso abusivo do álcool.

Entre as ações já em andamento na Universidade estão programas contra abuso do uso de álcool e drogas, hoje coordenados pela Rede Vida Melhor, além de recepção acadêmica e científica e de conscientização.

Assessoria de Comunicação e Imprensa