Estudantes da Unesp reclamam falta de restaurante universitário

“Queremos RU! Queremos RU!”. Foi com esse grito de guerra que estudantes universitários da Unesp de Botucatu se manifestaram na manhã desta quarta-feira, pleiteando um restaurante universitário para que os alunos possam ter uma alimentação balanceada a um custo mais baixo. Os estudantes se concentraram em frente ao prédio do Centro Acadêmico Pirajá da Silva (CAPS).

“O RU já existe em muitas outras faculdades para facilitar a vida dos alunos. Em Botucatu isso não está acontecendo e nós buscamos esse benefício que nada mais é do que um direito legítimo nosso e vai atender a centenas de estudantes. Não estamos inventando nada. Buscamos nosso direito da permanência estudantil” explicou o aluno de Medicina, Bruno Guerreta.

Diz que o prédio para o RU poderia ser instalado em um antigo restaurante particular que passaria por pequenas adaptações. “O prédio já era um restaurante particular e que está desativado a dois anos. A Unesp trata os estudantes como se fossem ricos, o que não é verdade. Muitos aqui estudam com muita dificuldade e são de diferentes camadas sociais ”, colocou Guerretta.

Segundo ele, em um RU, o estudante pagaria menos de R$ 2,00 por refeição. “Não é todo mundo que pode custear a alimentação todos os dias em um restaurante particular. Também não podemos ficar nos alimentando de salgadinhos. Com o UR este problema seria solucionado e os estudantes teriam o direito a permanência na Unesp com comida boa e barata. E não estamos lutando por mordomia e sim por um direito”, prega.

Outro questionamento foi com relação ? possibilidade do Hospital das Clínicas (HC) ficar com o prédio do antigo restaurante. “Isso está sendo cogitado, mas o problema é que HC só iria atender uma pequena parcela de alunos (2º e 3º ano). O RU tem que ser para todos”, disse. Sobre este aspecto, a direção do HC alegou que em uma reunião ocorrida na noite desta terça-feira, ficou decidido que não irá incorporar o antigo prédio do restaurante.

Depois de fazer a caminhada por todo o campus, os universitários encerraram a manifestação no mesmo local onde iniciaram o manifesto, ou seja, em frente ao CAPS. “Fizemos nossa reivindicação e agora vamos esperar a resposta da direção da Unesp”, disse Guerretta, não descartando a possibilidade de que outras manifestações sejam realizadas.

Fotos: Valéria Cuter

{n}Nota do Grupo Administrativo do Campus (GAC) sobre a reivindicação dos alunos – Restaurante Universitário{/n}

No dia de ontem (11/5), cerca de 100 alunos ocuparam o Grupo Administrativo do Câmpus (GAC) do câmpus de Botucatu da Universidade Estadual Paulista reivindicando a reabertura do restaurante universitário da unidade.

A Procuradoria Jurídica da universidade entrou com uma ação de manutenção de posse, que, no mesmo dia (11/05) foi expedida pelo juiz. Os alunos atenderam ? ordem judicial e desocuparam pacificamente o prédio.

Para o dia de hoje (12/05) estava agendada uma reunião, no período da manhã, entre os quatro diretores da unidade – Faculdade de Ciências Agronômicas, Faculdade de Medicina, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia e Instituto de Biociências – e os alunos, para decidir sobre o encaminhamento da questão. No entanto, a insistência por parte dos estudantes para que a reunião fosse aberta a todos inviabilizou a discussão do tema entre eles e os diretores.

Os diretores da unidade nunca fizeram qualquer objeção ? discussão do tema “Restaurante Universitário”. O assunto foi pautado em todas as últimas reuniões do GAC, sendo que o grupo conta com participação de representantes dos alunos.

Os diretores entendem como legítima a demanda por um restaurante universitário e serão encaminhadas duas ações para atendê-las. São elas:
– formulação de proposta de implantação de um restaurante universitário no câmpus que possa atender a toda a comunidade unespiana de Botucatu, inclusive os mais carentes, com qualidade. A proposta será encaminhada aos órgãos universitários competentes para análise e discussão.
– abertura de processo de licitação para que uma empresa privada recupere o imóvel e opere nas instalações atuais do restaurante universitário do Câmpus. Essa solução, que depende do interesse de empresas do ramo alimentício, seria temporária, até que a implantação de um restaurante universitário operado pela Unesp seja viabilizada. Os diretores se responsabilizam a subsidiar as refeições dos alunos carentes.

São Paulo, 12 de maio de 2011

Assessoria de Comunicação e Imprensa da Unesp