Esposa é suspeita de ter esquartejado dono da Yoki

A Polícia de São Paulo prendeu Elise Matsunaga, de 38 anos, que é a principal suspeita de ter assassinado o empresário Marcos Kitano Matsunaga, de 42 anos, diretor da empresa de alimentos Yoki, uma das conhecidas do Brasil no ramo alimentício. A Justiça havia pedido a prisão temporária da mulher na noite de segunda-feira (4). Corpo do empresário foi esquartejado e partes de seu corpo colocadas em dentro de sacos plásticos que foram abandonados em Cotia, Grande São Paulo.

De acordo com informações passadas pelo Departamento de Homicídios e de Proteção ? Pessoa (DHPP), as partes do corpo de Matsunaga foram encontradas dentro de sacos plásticos em uma estrada e as investigações comandadas pelo delegado Jorge Carrasco, estão sendo orientadas pelos indícios de crime passional. O policial disse que a viúva dele viu fotos arquivadas no computador e entendeu que estava sendo traída e decidiu se vingar.

“Pelo próprio computador dele (Marcos) está sendo investigado essa hipótese de traição, já que tinham fotos dele com outras pessoas nos seus arquivos. A polícia apura se a mulher viu essas fotos, achou que se tratava de uma traição e o matou por vingança”, disse Carrasco em entrevista ? imprensa na tarde desta terça-feira.

O empresário havia desaparecido no dia 20 de maio. No dia seguinte, o primeiro pedaço de corpo foi encontrado. A última parte a ser encontrada foi a cabeça, que permitiu que o reconhecimento da vítima fosse feito pelo seu irmão, no dia 28. O delegado afirmou ainda que há indícios concretos de que outras pessoas teriam ajudaram Elise a desovar as partes do corpo de seu marido.

As suspeitas contra a mulher se intensificaram depois que a polícia recebeu as fitas de vídeo do edifício onde o casal morava. É percebido pelas imagens que o empresário aparece entrando no prédio no dia do desaparecimento, mas não é observado ele saindo do local. Entretanto, os mesmos vídeos mostram Elise deixando o imóvel sozinha levando bagagens com rodinhas e retornando sem elas.

Com isso, a polícia acredita que ela pode ter usado a arma do marido para atirar contra ele e, depois, cortado e guardado os pedaços nas malas. Outro detalhe é que os agentes fizeram uma busca no apartamento do casal e encontraram sacos da mesma cor dos que foram usados para colocar o cadáver. De acordo com investigadores do DHPP, algumas testemunhas denunciaram que Elise tinha um comportamento possessivo e ciumento.

Fotos: Divulgação