Empresa prevê novo leilão de veículos apreendidos

A empresa Botucatu Parking Ltda, instalada na Avenida das Hortências, nº 1703, região do Parque Convívio, conta, atualmente, com 600 veículos (entre motocicletas e carros), que foram apreendidos em blitz policiais, tiveram envolvimento em acidentes ou são objetos de inquéritos da Polícia Civil. Esses veículos foram guinchados até o pátio e estão ? disposição dos proprietários, para evitar que sejam leiloados.

Para o mês de novembro está prevista a realização de mais um leilão de carros e motos, exceto os veículos que fazem parte dos inquéritos policiais em andamento. O mais recente leilão público da empresa foi realizado no mês de junho deste ano, onde vários lotes de veículos foram arrematados para revenda de peças em desmanches. Nenhum veículo que for a leilão pode circular, já que não possui documento.

De acordo com o gerente da empresa, Jeferson Savini, grande parte dos veículos apreendidos na Cidade, não é retirada pelos proprietários. Com isso, a lei permite que depois de um determinado tempo no pátio, esses veículos sejam leiloados, caso não haja interesse dos proprietários em recuperá-los. Com o dinheiro arrecadado são pagas as despesas do carro e o restante é devolvido ao proprietário.

“Quando o veículo é recolhido ao pátio é cobrada uma taxa diária de R$ 20,28 (tabela do Departamento de Trânsito – Detran). Entretanto, para não pagar essa taxa o proprietário tem cinco dias corridos para providenciar a documentação necessária. A partir do 6º dia a taxa começa a ser cobrada, de maneira retroativa. Depois de 90 dias no pátio o carro não retirado é considerado abandonado e pode ir a leilão. Mesmo assim, o proprietário é comunicado 30 dias antes do leilão para buscar uma solução. Por isso, quanto mais tempo leva para que o proprietário venha buscar o carro, mais a dívida aumenta”, orienta Savini.

Ele lembra que nos dias que antecede o leilão, o pátio permanece aberto durante o dia inteiro (exceto no horário de almoço) para visitação pública. “Comparecendo ao pátio os interessados têm um parâmetro geral de todos os veículos que estarão sendo disponibilizados em leilão e poderão dar seus lances e ficar com os veículos que lhes interessar. Mas, sempre é bom repetir que os carros leiloados não poderão circular pelas ruas”, coloca Savini.

Ele lembra que dos veículos disponibilizados para o leilão, 60% são motos. “Realmente, o número de motocicletas apreendidas e trazidas ao pátio é maior. Muitas delas são semi-novas e estariam em perfeitas condições de trafegar. Porém, a partir do momento em que vai a leilão o veículo fica impossibilitado de voltar a trafegar pelas ruas da Cidade. Só poderão ser aproveitadas as suas peças”, disse Savini.