Empresa Graúna pode encerrar suas atividades em Botucatu

A empresa Graúna Aerospace, que está instalada na Avenida Dante Delmanto e fabrica peças de aviões para a Embraer, pode encerrar suas atividades em Botucatu, por determinação da diretoria executiva da matriz, que fica na cidade de Caçapava. Várias peças que eram feitas em Botucatu passaram a ser confeccionadas em Caçapava, a partir desta segunda-feira.

A empresa operava em Botucatu com 38 funcionários e na sexta-feira da semana passada demitiu 28 de uma só vez, permanecendo apenas 10 trabalhadores entre gerência, encarregados, licença maternidade a membros eleitos da CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes que tem estabilidade no emprego e não podem ser demitidos, por força de lei.

“Na sexta-feira fomos chamados e a direção da empresa disse que a gente estava demitido, por não haver demanda de trabalho e as peças passariam a ser fabricadas na matriz, em Caçapava. Isso pegou todo mundo de surpresa e deixou todo mundo revoltado”, disse um dos funcionários demitidos que pediu para não ter o nome divulgado. Ele alega que a empresa garantiu aos demitidos, por um período de três meses, alguns benefícios como Unimed, convênio odontológico e vale alimentação.

Para o sindicalista e vereador Abelardo da Costa Neto, a atitude da empresa surpreendeu. “De uma hora pra outra ela chamou os funcionários e fez uma demissão em massa. Só ficaram na empresa aqueles que têm estabilidade no emprego e a chefia. Mas eles também não têm segurança nenhuma, pois a empresa deverá parar de fabricar peças para a Embraer em Botucatu e tudo vai ser feito na empresa matriz. É uma pena, pois temos 28 companheiros que ficaram sem emprego e esse número poderá aumentar”, lamentou Abelardo.

O gerente da Graúna Aerospace, Alexandre Fernandes, alegou que a demissão dos 28 funcionários foi uma necessidade de equalização de despesas da empresa matriz e a decisão foi tomada pela diretoria. “Infelizmente a empresa teve que tomar essa medida que é ruim e entristece a todos nós. Mas demitir ou contratar é um direito que toda empresa tem e os funcionários terão todos os seus direitos previstos em lei assegurados”, comentou Fernandes.

Sobre a extinção da empresa em Botucatu ele não tem um parecer. “Por enquanto, a empresa continua operando em Botucatu, com um número reduzido de funcionários. O que vai acontecer no futuro é o mercado quem vai dizer. Não posso afirmar se todo serviço feito em Botucatu será transferido a para Caçapava, pois esta é uma decisão da diretoria executiva. Nós ficamos com currículo de todos os funcionários que foram demitidos e caso haja recontratação eles terão prioridade”, garantiu o gerente, complementando: “Infelizmente a situação é esta”.

A filial da Graúna Aerospace está em operacionalidade em Botucatu desde fevereiro de 2002, para atender as necessidades da Embraer na fabricação de peças na tecnologia de usinagem de precisão e montagem de subconjuntos estruturais de aviões. A matriz, em Caçapava, foi fundada em maio de 1990.