Dom Mucciolo foi sepultado em clima de grande comoção

Fotos: Valéria Cuter

Com a presença de religiosos de várias cidades brasileiras e autoridades civis, militares e políticas, além de familiares e amigos que participaram da missa de corpo presente e das exéquias (ritos e orações com os quais a comunidade cristã acompanha seus mortos e os encomendam a Deus), o arcebispo emérito de Botucatu, dom Antônio Maria Mucciolo, foi sepultado na manhã desta segunda-feira (1º de outubro) na cripta da Catedral Metropolitana de Botucatu.

Dom Mucciolo que faleceu na tarde do último sábado (29 de setembro) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio-Libanês em São Paulo, em função da falência múltipla de órgãos, foi velado na Catedral Metropolitana de Botucatu, onde foram realizadas ininterruptas missas de corpo presente e orações.

Vários arcebispos fizeram questão de estarem em Botucatu para dar seu adeus a este que foi um dos maiores líderes da igreja católica, entre eles o arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Pedro Scherer; de Bauru, Frei Caetano Ferrari; de Barretos Edmilson Amador Caetano; do Rio de Janeiro, Orani João Tempesta; de Limeira, Vilson Dias de Oliveira, entre outros. Também estiveram presentes religiosos das 45 paróquias das 23 cidades que pertencem ? Arquidiocese de Botucatu e os 60 sacerdotes que foram ordenados por Mucciolo.

A missa de corpo presente foi celebrada pelo arcebispo de Botucatu, dom Maurício Grotto de Camargo, que no sermão fez um apanhado histórico da vida religiosa de dom Antônio Mucciolo e sua importância na vida da igreja católica.

Às 11h30, dom Mucciolo foi sepultado na cripta da Catedral de Botucatu, onde já estão os restos mortais de outros quatro bispos da arquidiocese: dom Lúcio Antunes de Souza; dom Luiz Maria de Sant´Anna, dom Henrique Goland Trindade e dom Vicente Marchetti Zioni.

{n}Histórico de Dom Mucciolo{/n}

Arcebispo emérito da Arquidiocese de Botucatu, dom Antônio Maria Mucciolo, tinha como lema sacerdotal: “Sentire cum Ecclesia” (Sentir com a Igreja) e teve uma vida dedicada ? igreja. Nasceu em Castel San Lorenzo em 1º de maio de 1923 e veio para o Brasil com um ano se fixando em São Paulo, depois Sorocaba. Matriculou-se no Seminário São José, de Botucatu, em 02 de fevereiro de 1937.

Foi ordenado sacerdote por Dom José Carlos de Aguirre na Capela do Seminário São Carlos Borromeu, em Sorocaba, em 11 de abril de 1949. Em 1º de junho de 1977 foi nomeado bispo pelo papa Paulo VI e sagrado 15 de agosto de 1977 em Sorocaba. Nomeado bispo de Barretos em 26 de maio de 1977e sagrado em 15 de agosto de 1977 na Catedral de Sorocaba pelo núncio apostólico dom Carmine Rocco. A posse deu-se em 03 de setembro de 1977.

Foi nomeado arcebispo de Botucatu em 28 de junho de 1989, tomando posse em 09 de setembro de 1989, ficando até 07 junho de 2000, quando renunciou por causa da idade. Administrando a arquidiocese, dom Mucciolo criou várias paróquias, ordenou dezenas de sacerdotes, construiu uma grande casa para os sacerdotes idosos denominada “Casa
Cura D’Ars”, deu impulso aos meios de comunicação social e de Pastoral Vocacional.

Também desmembrou a arquidiocese de Botucatu criando a nova diocese de Ourinhos em 30 de dezembro de 1998. Aglutinou o clero e fortaleceu os leigos, motivou as pastorais e cativou os movimentos. Criou e instalou a Cidade de Maria, um dos mais arrojados planos de evangelização e formação cristã da arquidiocese de Ribeirão Preto.

Colocou seu nome na história da igreja católica brasileira de maneira singular. Em junho de 1995, apoiando um grupo de idealistas leigos unidos em torno do Instituto Brasileiro de Comunicação Cristã (Inbrac), dom Antonio Mucciolo consolidou a implantação nacional da Rede Vida de Televisão, num trabalho conjunto com o jornalista João Monteiro de Barros Filho, que também esteve presente na cerimonial de sepultamento e contou como foi seu encontro com Mucciolo para o surgimento da Rede Vida, que tem o slogan “O Canal da Família”, e avançou pelo país e hoje representa a maior emissora católica do mundo.