Definida diretoria da Associação do Parque Tecnológico Botucatu

Em reunião realizada nesta segunda-feira, dia 23 de abril, no Salão Azul do antigo Seminário, atual sede da Secretaria da Educação, Ricardo Antonio de Arruda Veiga, Professor Emérito da Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp e ex-secretário municipal do Desenvolvimento Econômico do município foi eleito presidente do Conselho de Administração do Parque Tecnológico Botucatu. O vice-presidente do Conselho será Paulo Eduardo de Abreu Machado, professor da Faculdade de Medicina da Unesp.

Durante a reunião também aconteceu a eleição da Diretoria da Associação Parque Tecnológico, para um mandato de três anos. O diretor da Faculdade de Ciências Agronômicas, professor Edivaldo Domingues Velini, passa a exercer o cargo de diretor científico do Parque. A Diretoria Administrativa e Financeira ficou com o engenheiro Antonio Vicente da Silva, atual gerente da Prospecta – Incubadora Tecnológica de Botucatu.
O ex-diretor da Embraer e ex-secretário adjunto da Indústria, Paulo Urbanavicius, é o novo diretor executivo.

Todos os dirigentes foram eleitos por unanimidade pelos integrantes do Conselho de Administração, órgão superior de deliberação, execução e representação da Associação Parque Tecnológico Botucatu, organização social (O.S.) futuro responsável pela direção técnico-científica do Parque.

O Conselho de Administração é composto por membros indicados pelo poder executivo municipal, pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Governo do Estado de São Paulo, pelas instituições públicas de ensino, pesquisa e extensão presentes na região de Botucatu e relacionadas a áreas de competência do Parque Tecnológico, pelas incubadoras tecnológicas da região e pelo setor produtivo industrial organizado; além de pessoas de notória capacidade profissional e reconhecida idoneidade moral e um representante das fundações.

O professor Veiga mostrou-se otimista com o potencial de trabalho da equipe eleita. “São pessoas que participaram desde a idealização e da elaboração dos projetos que foram fundamentais para que Botucatu recebesse mais de 10 milhões de reais para a execução de projetos técnicos e obras estruturais no Parque Tecnológico. Portanto, é uma equipe que sabe como se deve trabalhar e onde o Parque pode chegar”.

O próximo desafio dos dirigentes eleitos é idealizar um regimento interno e fazer o registro formal da Associação Parque Tecnológico Botucatu, além de dar início ao procedimento para a elaboração do contrato de gestão, que vai transferir oficialmente as responsabilidades de gestão do Parque da Prefeitura Municipal para a Associação. Na sequência, a meta é trabalhar para conseguir o credenciamento definitivo de Botucatu no Sistema Paulista de Parques Tecnológicos.

{n}Histórico{/n}

Em 19 de junho de 2008, o Governo do Estado de São Paulo promulga a lei que institui o SPTec – Sistema Paulista de Parque Tecnológicos, posteriormente regulamentada por um decreto de abril de 2009. Já em setembro de 2009, o município de Botucatu foi pré-credenciado como um possível candidato a sediar um Parque Tecnológico.

Contratada pela Secretaria Municipal do Desenvolvimento, a Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais (Fepaf) desenvolve um Estudo de Viabilidade Técnica e Científica do Parque Tecnológico.

Durante o processo de elaboração do Estudo foram realizados quatro seminários para discutir os mais diversos aspectos da atuação do Parque Tecnológico, dentre eles a forma jurídica ideal para sua administração. Pela ampla possibilidade de representação da sociedade, é escolhido a figura jurídica de organização social e fundada em 28 de junho de 2011 a Associação Parque Tecnológico Botucatu.

Na mesma ocasião é aprovado o estatuto social da Associação que determina a composição de suas instâncias administrativas em Assembleia Geral; Conselho de Administração; Conselho Fiscal e Diretoria. Na reunião dessa segunda-feira, foi constituída a primeira Diretoria da Associação Parque Tecnológico Botucatu.

{n}Prefeito empolgado{/n}

Empolgado com o andamento do processo de viabilizar uma das maiores bandeiras de seu governo, na área de desenvolvimento e geração de emprego e renda, o prefeito João Cury Neto destaca que a conquista do Parque Tecnológico não pode ser atribuída apenas ? Prefeitura e ? Unesp, já que é fruto do empenho de uma série de “atores” existentes na cidade.

“Botucatu entra para um seleto rol de oito municípios que foram contemplados com Parques Tecnológicos porque conta com lideranças que têm a compreensão exata do papel que desempenham para o desenvolvimento da cidade. Esse projeto começou a ser pensado Incubadora do Lageado, em janeiro de 2009 e se tornou realidade”, comentou.

O chefe do Executivo Municipal disse que a iniciativa ousada só obteve sucesso por conta da comprovada vocação do município. “O Parque Tecnológico vai tirar das prateleiras da universidade os projetos e o conhecimento que aqui são produzidos. Botucatu será um celeiro de soluções de tecnologia para neutralizar tantos problemas que nos afligem atualmente. Estamos presenciando uma mudança de paradigma. Vamos mudar de patamar e discutir biotecnologia que tem tudo a ver com nossa vocação. Essa iniciativa ajuda a consolidar, ainda mais, nossa cidade como pólo de desenvolvimento na região”, enalteceu o prefeito.