Consumidores terão aumento de energia em 2015

O ministro Edison Lobão, antes de encerrar sua gestão frente ao Ministério de Minas e Energia, e sob críticas do setor elétrico, admitiu que o alto custo da energia passará cada vez mais a ser bancado pelos consumidores em razão do novo cenário de redução dos aportes do Tesouro Nacional. “É natural que a tendência para o próximo ano seja de que os consumidores arquem com o alto custo da eletricidade, em vez do Tesouro”,? disse.? Estimativa é aumento de 28%, em média, para o ano que vem.

O ministro informou que se as distribuidoras de energia solicitarem uma revisão extraordinária das tarifas, o governo vai examinar os pedidos, mas não deu pistas sobre um sinal verde para a adoção dessas medidas. A estimativa de rombo para o setor em 2015 chega a R$ 8,5 bilhões em pagamentos que deveriam ter sido feitos pela União a empresas do setor de energia.

Lobão reconheceu que o preço da energia no país está alto e classificou como “lamentável” o custo das usinas térmicas. Mas pontuou que seria pior se o sistema não contasse com essa eletricidade durante a seca que afeta os reservatórios das hidrelétricas há dois anos.

O ministro alfinetou empresários do setor elétrico por reclamações sobre falta de diálogo com o governo e condições para investir na área. E referiu-se ? s companhias que não aderiram ao pacote de renovação das concessões. “As reclamações de empresários são naturais em um regime de liberdade total como o nosso. Elas (as empresas) reclamam, mas estão dentro do setor. O governo é solidário e o BNDES financia tudo. E quem não aderiu ao pacote em 2012 agora vai perder as geradoras. Foi bom ou ruim para eles?”, questionou.

Mesmo em um cenário de pouca chuva, onde a água é mais necessária, o ministro garantiu que o país não terá racionamento de energia em 2015. “Especialistas externos previam um racionamento em 2014, mas tive a coragem de seguir os nossos especialistas e deu certo. Não tivemos racionamento nem racionalização de eletricidade”, ressaltou.

?

Bandeiras

Para o aumento que passa a valer a partir do dia 1º de janeiro de 2015 pelo sistema de bandeiras tarifárias com as cores verde, amarela e vermelha que indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade. Desde 2013 a agência divulga, mês a mês, a cor da bandeira que estará em funcionamento.

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), pelo sistema de bandeiras tarifárias as cores verde, amarela e vermelha indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade. Desde 2013 a agência divulga, mês a mês, a cor da bandeira que estará em funcionamento. O objetivo é fazer com que o consumidor consiga identificar qual a bandeira do mês, saber se a tarifa vai ficar mais cara, e se programar com o uso inteligente da energia elétrica, sem desperdício.

Se a bandeira tarifária for verde, a sinalização é de que as condições de geração de energia estão favoráveis e a tarifa não sofrerá nenhum acréscimo. A bandeira fica amarela quando as condições de geração estão menos favoráveis e a tarifa sofre acréscimo de R$ 1,50 para cada 100 kWh consumidos. Já a bandeira vermelha indica que as condições de geração de energia estão desfavoráveis o que encarece a tarifa em R$ 3,00 para cada 100 kWh consumidos.