Construção civil assina convenção coletiva de trabalho para Botucatu

As disposições do acordo valem a partir de 1º de maio

construção

 O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), José Romeu Ferraz Neto, assinou convenção coletiva relativa à data-base de 1º de maio com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Botucatu, Anderson Inácio da Silva.

Período de 01/05/2015 a 30/04/2016

Será concedido um reajuste em 1º de maio de 2015, sobre o salário corrigido conforme convenção coletiva anterior como resultado de recomposição salarial do período de 01/05/2014 a 30/04/2015 nos seguintes termos:

Trabalhadores operacionais de obra que recebem salário mensal de até R$ 7.000,00 – 8%. Acima de R$ 7.000,01 será acrescido ao salário a importância fixa de R$ 560,00;

Trabalhadores das funções administrativas alocados nos escritórios, da sede e de obras, que recebem salário mensal de até R$ 7.000,00 – 6%. Acima de R$ 7.000,01 será acrescido ao salário a importância fixa de R$ 420,00;

As antecipações salariais concedidas no período serão compensadas. A diferença salarial relativa a maio/2015, decorrente da aplicação do reajuste ora pactuado, poderá ser paga em até seis vezes, a partir da folha de pagamento de junho de 2016, de forma destacada, sob o título “DIFERENÇA CONVENÇÃO COLETIVA 01/05/2015 a 30/04/2016”.

Período de 01/05/2016 a 30/04/2017

Desde 1º de maio de 2016, vigoram os seguintes pisos:

Trabalhadores não qualificados (servente, contínuo, vigia, auxiliares de trabalhadores qualificados e demais trabalhadores cujas funções não demandem formação profissional): R$1.362,5510 mensais, ou R$ R$ 6,1934 por hora, para 220 horas mensais.

Trabalhadores qualificados (pedreiro, armador, carpinteiro, pintor, gesseiro e demais profissionais qualificados não relacionados): R$ 1.657,5324 mensais, ou R$ 7,5342 por hora, para 220 horas mensais.

Trabalhadores qualificados em obras de montagem de instalações industriais: R$ 1.986,2316 mensais, ou R$ 9,0283 por hora, para 220 horas mensais.

 

Reajuste escalonado – Para os demais trabalhadores será concedido reajuste nos seguintes termos:

Em 1º de maio, 6,38% para os trabalhadores que recebem salário mensal de até R$ 7.000,00.

Em 1º de maio, importância fixa de R$ 447,26 para quem recebe salário mensal a partir de R$ 7.000,01.

Em 1º de setembro, 3,2431% para quem recebe salário mensal de até R$ 7.446,60.

Em 1º de setembro, importância fixa de R$ 240,84 para quem recebe salário mensal a partir de R$ 7.446,61.

As empresas poderão complementar o reajuste livremente de acordo com a sua política salarial.

A diferença salarial relativa a maio/2016, decorrente da aplicação do reajuste, deverá ser paga até a folha de pagamento de junho de 2016, de forma destacada, sob o título “DIFERENÇA CONVENÇÃO COLETIVA 01/05/2016 a 30/04/2017”.

Alimentação – O valor do tíquete-refeição subiu para R$ 20 e o do vale-supermercado mensal para R$ 265, a partir de 1º de maio, e R$ 275, a partir de 1º de setembro.

As demais cláusulas permanecem inalteradas.

As disposições da convenção deverão valer para Botucatu.

(Assessoria de Imprensa)