Cardeal Bergoglio é eleito Papa e adota nome de Francisco I

“Eu anuncio com grande alegria, temos papa, o mais eminente e reverenciado Senhor, Senhor Bergoglio, cardeal da Sagrada Igreja Romana Scherer, que usará pra si o nome de Francisco”. Foi dessa maneira que o cardeal francês Jean-Louis Tauran, anunciou o nome do cardeal argentino Jorge Mário Bergoglio, de 76 anos, ao aparecer na varanda central da Basílica de São Pedro.

Bergoglio, que adotou o nome de Francisco I terá a missão de liderar os 1,2 bilhão de católicos do mundo após a renúncia de Bento XVI, oficializada em 28 de fevereiro. Já com as vestes papais, o novo papa apareceu na varanda e deu sua primeira benção ao mundo católico. O eleito é o 266º papa da história.

O anúncio da decisão dos 115 cardeais reunidos em conclave foi dado após dois dias e cinco reuniões. A escolha surpreendeu os analistas, já que o cardeal de Buenos Aires não constava em nenhuma das listas de papáveis. Ele é o primeiro Papa latino-americano e o primeiro jesuíta a ser Pontífice. Assume com a função de manter a unidade da igreja católica. A fumaça branca apareceu por volta das 19h08 locais (15h08 de Brasília), quando os sinos da Basílica de São Pedro tocaram.

{bimg:38517:alt=int:bimg}

{n}Bergoglio não constava entre os favoritos{/n}

Pouco apontado como o preferido ao cargo de novo pontífice, o cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio, ou Francisco I, foi um candidato de peso em 2005, no conclave em que elegeu Bento XVI. Considerado um cardeal que conseguiu frear as correntes liberais entre jesuítas, Francisco I é visto por muitos como um símbolo do compromisso com a Igreja em meio ao mundo em desenvolvimento.

Intelectual dedicado, o pontífice exerceu papel fundamental de liderança durante a crise econômica na Argentina, atentando sobre as consequências da globalização em países pobres. Entre outras qualidades, Francisco I viveu uma vida sem luxo e excessos quando ainda era cardeal na Argentina. Abriu mão de morar no palácio episcopal para residir um apartamento simples. Andava de ônibus e não de limusine, além de preferir cozinhar suas próprias refeições.

{bimg:38518:alt=int2:bimg}

{n}Perfil do novo Pontífice{/n}

Nascido em 17 de dezembro de 1936 em Buenos Aires, Bergoglio é um dos cinco filhos de um ferroviário que se mudou para Turim, Itália. Sonhava na infância em ser químico, porém, optou pela vida religiosa em 1958, quando ingressou na Companhia de Jesus para começar os estudos preparatórios para a ordenação sacerdotal. Designado cardeal em 2001 pelo papa João Paulo II, Bergoglio teve sua carreira marcada pela luta em prol dos pobres.

“Vivemos na parte mais desigual do mundo, que tem crescido muito, mas que pouco tem feito para reduzir a miséria”, afirmou ele durante um encontro do episcopado latino-americano em 2007. “A injusta distribuição de renda persiste, criando uma situação de pecado social que clama aos céus e que limita as possibilidades de uma vida plena para muitos de nossos irmãos.
Foi ordenado pelos Jesuítas em 13 de dezembro de 1969 durante os seus estudos teológicos na Faculdade Teológica de São Miguel. Foi mestre novice em São Miguel onde também ensinou teologia. Foi Provincial para a Argentina (1973-1979) e reitor da Faculdade de Teologia e Filosofia de São Miguel (1980-1986).

Após completar a dissertação doutoral na Alemanha serviu como confessor e diretor espiritual em Córdova. Em 20 de maio de 1992 foi nomeado Bispo de Auca e Auxiliar de Buenos Aires, recebendo a consagração episcopal em 27 de junho. A 3 de junho de 1997 foi nomeado Arcebispo coadjuvante em Buenos Aires Buenos Aires e sucedeu ao Cardeal António Quarracino em 28 fevereiro de 1998.

Relator geral adjunto da 10ª Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos em outubro de 2001. Presidente da Conferência de Bispos da Argentina de 8 de novembro de 2005 até 8 de novembro de 2011. Proclamado Cardeal pelo Papa João Paulo II no consistório de 21 de fevereiro de 2001 com o título de S. Roberto Bellarmino.